quinta-feira, 14 de maio de 2009

Mulher muçulmana sempre superando limites




Mais um dia de competições para Ruqaya al-Ghasara, ela ajeita seu Hijab, se posiciona e quando dá a largada sai em disparada representado seu país nos 200m rasos, até ai tudo bem, se não fosse o fato que Ruqaya al-Ghasara é uma muçulmana do Bahrein, país conservador que mostrar sinais de tolerância ao abrir espaço para esse grande mulher fazer história no atletismo.



O que gostaria de comentar hoje é justamente isso, a superação, As mulher muçulmana é guerreira por excelência, num mundo dominado pelo patriarcalismo e por leis antiquadas as mulheres muçulmanas cada vez mais tem mostrado que podem sim, serem religiosas, esposas, mãe e excelentes profissionais sem abrirem mão de suas convicções.

Ruqaya al-Ghasara é um exemplo claro disso, sua determinação é tamanha que hoje no Bahrein existe uma equipe só de mulheres velocistas, Mashallah ! (benza Deus) E o exemplo de nobre guerreira seja visto por todas as demais mulheres do mundo...

A melhor arma contra a intolerância religiosa e o machismo é o conhecimento.
Vale lembra que a jovem fundista é apenas uma de milhares Ruqaya al-Ghasara que existem no mundo desafiando os perigos e superando os limites...

video

domingo, 3 de maio de 2009

A Black Imam Breaks Ground in Mecca



TWO years ago, Sheik Adil Kalbani dreamed that he had become an imam at the Grand Mosque in Mecca, Islam’s holiest city.

Waking up, he dismissed the dream as a temptation to vanity. Although he is known for his fine voice, Sheik Adil is black, and the son of a poor immigrant from the Persian Gulf. Leading prayers at the Grand Mosque is an extraordinary honor, usually reserved for pure-blooded Arabs from the Saudi heartland.

So he was taken aback when the phone rang last September and a voice told him that King Abdullah had chosen him as the first black man to lead prayers in Mecca. Days later Sheik Adil’s unmistakably African features and his deep baritone voice, echoing musically through the Grand Mosque, were broadcast by satellite TV to hundreds of millions of Muslims around the world.

Since then, Sheik Adil has been half-jokingly dubbed the “Saudi Obama.” Prominent imams are celebrities in this deeply religious country, and many have hailed his selection as more evidence of King Abdullah’s cautious efforts to move Saudi Arabia toward greater openness and tolerance in the past few years.

“The king is trying to tell everybody that he wants to rule this land as one nation, with no racism and no segregation,” said Sheik Adil, a heavyset and long-bearded man of 49 who has been an imam at a Riyadh mosque for 20 years. “Any qualified individual, no matter what his color, no matter where from, will have a chance to be a leader, for his good and his country’s good.”

Officially, it was his skill at reciting the Koran that won him the position, which he carries out — like the Grand Mosque’s eight other prayer leaders — only during the holy month of Ramadan. But the racial significance of the king’s gesture was unmistakable.

Sheik Adil, like most Saudis, is quick to caution that any racism here is not the fault of Islam, which preaches egalitarianism. The Prophet Muhammad himself, who founded the religion here 1,400 years ago, had black companions.

“Our Islamic history has so many famous black people,” said the imam, as he sat leaning his arm on a cushion in the reception room of his home. “It is not like the West.”

It is also true that Saudi Arabia is far more ethnically diverse than most Westerners realize. Saudis with Malaysian or African features are a common sight along the kingdom’s west coast, the descendants of pilgrims who came here over the centuries and ended up staying. Many have prospered and even attained high positions through links to the royal family. Bandar bin Sultan, the former Saudi ambassador to the United States, is the son of Prince Sultan and a dark-skinned concubine from southern Saudi Arabia.

But slavery was practiced here too, and was abolished only in 1962. Many traditional Arabs from Nejd, the central Saudi heartland, used to refer to all outsiders as “tarsh al bahr” — vomit from the sea. People of African descent still face some discrimination, as do most immigrants, even from other Arab countries. Many Saudis complain that the kingdom is still far too dominated by Nejd, the homeland of the royal family. There are nonracial forms of discrimination too, and many Shiite Muslims, a substantial minority, say they are not treated fairly.

“The prophet told us that social classes will remain, because of human nature,” Sheik Adil said gravely. “These are part of the pre-Islamic practices that persist.”

BLACK skin is not the only social obstacle Sheik Adil has overcome. His father came to Saudi Arabia in the 1950s from Ras al Khaima, in what is now the United Arab Emirates, and obtained a job as a low-level government clerk. The family had little money, and after finishing high school, Adil took a job with Saudi Arabian Airlines while attending night classes at King Saud University.

Only later did he study religion, laboriously memorizing the Koran and studying Islamic jurisprudence. In 1984 he passed the government exam to become an imam, and worked briefly at the mosque in the Riyadh airport. Four years later he won a more prominent position as the imam of the King Khalid mosque, a tall white building that is not far from one of the Intelligence Ministry’s offices.

Theologically, Sheik Adil reflects the general evolution of Saudi thinking over the last two decades. During the 1980s he met Osama bin Laden and Abdullah Azzam, a leader of the jihad against the Soviets in Afghanistan. He initially sympathized with their radical position and anger toward the West. Later, he said, he began to find their views narrow, especially after the terrorist attacks of Sept. 11, 2001.

Now he speaks warmly of King Abdullah’s new initiatives, which include efforts to moderate the power of the hard-line religious establishment and to modernize Saudi Arabia’s judiciary and educational establishment. He reads Al Watan, a liberal newspaper.

“Some people in this country want everyone to be a carbon copy,” Sheik Adil said. “This is not my way of thinking. You can learn from the person who is willing to criticize, to give a different point of view.”

His life, like that of most imams, follows a rigid routine: he leads prayers five times a day at the mosque, then walks across the parking lot to his home, which he shares with two wives and 12 children. On Fridays, he gives a sermon as well.

HE expected it to continue that way for the rest of his life. Then in early September he woke up to hear his cellphone and land line, both ringing continuously. Stirring from bed, he heard the administrator of the Grand Mosque leaving a message. He picked up one of the phones, and heard the news that the king had selected him.

Two days later he walked into a grand reception room where he was greeted by Prince Khalid al-Faisal, the governor of Mecca Province. Sheik Adil tried to introduce himself, but the prince cut him off with a smile: “You are known,” he said.

Next, Sheik Adil was led to a table where he sat with King Abdullah and other ministers. He was too shy to address the king directly, but as he left the room he thanked him and kissed him on the nose, a traditional sign of deference.

Remembering the moment, Sheik Adil smiled and went silent. Then he pulled out his laptop and showed a visitor a YouTube clip of him reciting the Koran at the Grand Mosque in Mecca.

“To recite before thousands of people, this is no problem for me,” he said. “But the place, its holiness, is so different from praying anywhere else. In that shrine, there are kings, presidents and ordinary people, all being led in prayer by you as imam. It gives you a feeling of honor, and a fear of almighty God.”

Muhammad al-Milfy contributed reporting.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Afegãs protestam contra lei islâmica que permitiria estupro marital


Entre as mudanças previstas pela lei está o artigo no qual "a mulher é obrigada a preencher os desejos sexuais de seu marido" --o que críticos apontam como um artigo que justificaria os estupros dentro do casamento.

Observadas de perto por uma corrente de policiais femininas e agentes de controle de distúrbios, as mulheres carregaram bandeiras e faixas contra a lei de opressão e fizeram fila do lado de fora de uma nova mesquita em Cabul, construída por um poderoso clérigo afegão que ajudou a escrever a polêmica lei.

A legislação --que se aplica à minoria xiita, cerca de 10% da população afegã-- atraiu condenação ampla dos países ocidentais, muitos dos quais tem tropas lutando contra o terrorismo no país.

Críticos dizem que a lei restringiria a liberdade de movimento das mulheres e alguns artigos poderiam inclusive ser interpretados como legalização do estupro no casamento. Os apoiadores do projeto afirmam que a lei dará aos oprimidos xiitas seu próprio código familiar e que os críticos simplesmente interpretaram mal parte da lei.

"Nós não queremos a lei Taleban", dizia um cartaz carregado pelo grupo. Elas levavam ainda uma declaração na qual classificam a lei como um insulto à sua dignidade.

"É assustador estar aqui, mas eu não posso apenas ficar sentada na minha casa", disse Halima Hosseini, 27, que protesta pela primeira vez. "Eu pessoalmente não posso permitir que alguém me represente e coloque artigos em uma lei que são contra os meus direitos, contra os direitos humanos e consideram a mim, como mulher, um humano de segunda classe."

Um grupo de mais de 200 homens também se reuniu nos degraus da mesquita, ocasionalmente gritando contra as mulheres e jogando pedras nelas.

"Detestável"

A lei atraiu críticas dos aliados do presidente afegão, Hamid Karzai, incluindo o presidente americano, Barack Obama, que chamou-a de "detestável".

Os direitos das mulheres melhoraram significamente desde a queda do Taleban em 2001, especialmente nas cidades. Contudo, o país asiático permanece uma sociedade essencialmente islâmica conservadora, principalmente nas áreas rurais --uma realidade que o governo de Cabul pretende combater diante das exigências dos EUA por um governo pluralista e democrático.

Alguns legisladores afirmam que Karzai assinou a lei por medo das consequências nas próximas eleições, marcadas para 20 de agosto próximo. Ele teria como objetivo garantir o voto dos xiitas, que podem definir a eleição.

Diante da pressão do Ocidente, Karzai pediu mudanças na lei.

Afegãs protestam contra lei islâmica que permitiria estupro marital


Cerca de 300 afegãs foram às ruas de Cabul, capital afegã, para protestar contra uma nova e polêmica lei islâmica familiar que inclui medidas de opressão contra as mulheres e permite, entre outras coisas, o estupro dentro do casamento.

A lei, afirmam os críticos, lembra as restrições impostas às mulheres nos tempos do regime radical do grupo islâmico Taleban, derrubado do poder pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, em 2001. Na época, as mulheres não podiam estudar ou trabalhar e não podiam sair de casa sem a companhia de um homem.

Um rascunho da lei afirma que a mulher não deve sair sem a companhia do marido, mas emendas adicionas posteriormente permitem que as afegãs saiam de casa desacompanhadas para ir ao trabalho, tratamento médico ou para estudar.


Entre as mudanças previstas pela lei está o artigo no qual "a mulher é obrigada a preencher os desejos sexuais de seu marido" --o que críticos apontam como um artigo que justificaria os estupros dentro do casamento.

Observadas de perto por uma corrente de policiais femininas e agentes de controle de distúrbios, as mulheres carregaram bandeiras e faixas contra a lei de opressão e fizeram fila do lado de fora de uma nova mesquita em Cabul, construída por um poderoso clérigo afegão que ajudou a escrever a polêmica lei.

A legislação --que se aplica à minoria xiita, cerca de 10% da população afegã-- atraiu condenação ampla dos países ocidentais, muitos dos quais tem tropas lutando contra o terrorismo no país.

Críticos dizem que a lei restringiria a liberdade de movimento das mulheres e alguns artigos poderiam inclusive ser interpretados como legalização do estupro no casamento. Os apoiadores do projeto afirmam que a lei dará aos oprimidos xiitas seu próprio código familiar e que os críticos simplesmente interpretaram mal parte da lei.

"Nós não queremos a lei Taleban", dizia um cartaz carregado pelo grupo. Elas levavam ainda uma declaração na qual classificam a lei como um insulto à sua dignidade.

"É assustador estar aqui, mas eu não posso apenas ficar sentada na minha casa", disse Halima Hosseini, 27, que protesta pela primeira vez. "Eu pessoalmente não posso permitir que alguém me represente e coloque artigos em uma lei que são contra os meus direitos, contra os direitos humanos e consideram a mim, como mulher, um humano de segunda classe."

Um grupo de mais de 200 homens também se reuniu nos degraus da mesquita, ocasionalmente gritando contra as mulheres e jogando pedras nelas.

"Detestável"

A lei atraiu críticas dos aliados do presidente afegão, Hamid Karzai, incluindo o presidente americano, Barack Obama, que chamou-a de "detestável".

Os direitos das mulheres melhoraram significamente desde a queda do Taleban em 2001, especialmente nas cidades. Contudo, o país asiático permanece uma sociedade essencialmente islâmica conservadora, principalmente nas áreas rurais --uma realidade que o governo de Cabul pretende combater diante das exigências dos EUA por um governo pluralista e democrático.

Alguns legisladores afirmam que Karzai assinou a lei por medo das consequências nas próximas eleições, marcadas para 20 de agosto próximo. Ele teria como objetivo garantir o voto dos xiitas, que podem definir a eleição.

Diante da pressão do Ocidente, Karzai pediu mudanças na lei.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Khadija Bint Khuwayli


"Não, por Deus, juro que Allah jamais me concedeu nada melhor do que ela. Ela foi a esposa que acreditou em mim quando ninguém acreditava. Ela confirmou minha honestidade quando todos me acusavam de mentiroso. Ela me sustentou quando todos me despojaram. Através dela, Allah me concedeu os filhos que nenhuma outra mulher me deu..."

O Islam, hoje, é uma grande força no mundo. Mas, houve um tempo em que, quando ele ainda engatinhava, precisou de proteção contra os ventos da idolatria e do politeísmo. Os muçulmanos não podem se esquecer de uma figura importante na construção dos alicerces do Islam: Khadija Bint Khuwaili.

Khadija foi testemunha ocular do nascimento do Islam. Foi em sua casa que o Islam foi sendo esculpido e moldado. Foi a partir de sua casa que o Islam "alçou vôo". Sua casa foi o lar do al-Qur'an, o Livro de Deus e código religioso e político do Islam. Durante 10 anos as mensagens foram sendo trazidas pelo anjo Gabriel e Khadija foi quem mais colecionou essas primeiras revelações vindas de Deus. Ela foi a primeira esposa do último dos Profetas de Deus. Ela foi a primeira crente. Foi ela o primeiro ser humano a declarar que o Criador era Um e que Muhammad era Seu Profeta. Ela foi a companheira constante de Muhammad. Até a sua morte, Muhammad dedicou exclusivamente a Khadija todo o seu amor, afeto e amizade. Ela foi a primeira pessoa a oferecer preces a Deus juntamente com seu marido.

'Afif al-Kanadi relatou: "Cheguei a Macca durante os dias de ignorância e queria vender algumas roupas e perfumes em nome de minha família. Fui até al-'Abbas b. 'Abdul-Mutalib." Ele conta: "Enquanto estava em sua casa, olhei para a Caaba. O sol saiu quando um homem chegou, até aproximar da Caaba. Então ele levantou sua cabeça para o céu e olhou para a Caaba. Então, um jovem chegou e ficou à sua direita. Não levou muito tempo e uma mulher chegou e ficou atrás deles. Então o homem se curvou e o jovem e a mulher se curvaram. Então o homem levantou sua cabeça e o jovem e a mulher fizeram o mesmo. Então o homem se prostrou e o jovem e a mulher se prostraram também."

Ele continuou: "Então, eu disse:'Ó Abbas! Na verdade, vejo um grande homem.' E Abbas disse:'Sabe quem é aquele homem?' Eu respondi:'Não, não sei.' Ele disse:'É Muhammad b. 'Abdullah b. 'Abdul-Mutalib, meu sobrinho. Sabe quem é aquela mulher?' Eu disse:'Não sei.' Ele disse:'Aquela mulher é Khadija bint Khuwaylid, a esposa do meu sobrinho. Este meu sobrinho que você vê nos contou que seu Senhor é o Senhor dos céus e da terra e que Ele lhe ordenou esta religião que ele está seguindo. Juro por Allah que não conheço ninguém mais sobre a face da terra que esteja seguindo esta religião além daqueles três.' E Afif disse:'Gostaria de ser o quarto.'"

Quando Muhammad proclamou sua missão como o mensageiro de Deus e disse aos árabes para não adorarem ídolos e os convocou para se unirem em torno da bandeira do Tauhid, uma onda de infortúnios se abateu sobre ele. Os politeístas quiseram beber seu sangue. Inventaram novas e engenhosas formas de atormentá-lo e fizeram inúmeras tentativas para sufocar sua voz para sempre. Naqueles tempos de tristeza e tensão, Khadija nunca lhe faltou. Foi somente por causa dela e de Abu Talib que os politeístas não conseguiram destruir o trabalho de pregação e divulgação do Islam. Desta forma, é dela a mais importante contribuição para a sobrevivência do Islam.

Khadija criou os padrões básicos que traduzem a paz, harmonia, felicidade e satisfação domésticas e os aplicou em sua própria vida. Ela demonstrou que a chave para a felicidade familiar é a proximidade entre seus membros. Ela mostrou os direitos e deveres de maridos e esposas. O modelo criado por ela tornou-se um "esquema" de vida familiar para o Islam.

Muhammad e Khadija ficaram juntos por 25 anos e durante esses anos formularam as "Leis" que tornam um casamento bem sucedido e a vida mais feliz. Desde então, mesmo que em termos temporais, o resto do mundo jamais foi capaz de encontrar regras de convivência melhores. Khadija transformou em realidade as abstrações do idealismo. Sua vida com o Profeta Muhammad é uma prova concreta deste fato. O que ela deu ao mundo não foi apenas um conjunto de princípios ou idéias teóricas, mas toda uma experiência, rica em momentos de puro encantamento com o Islam e de um amor penetrante por Deus e Seu Mensageiro.

os árabes pagãos tinham um sentido de honra distorcido. Era esse "sentimento de honra" que os levava a matar suas filhas. O Islam, é claro, pôs um fim a essa prática bárbara, transformando-a em pecado contra Deus e em crime contra a humanidade. Além de acabar com o infanticídio feminino, o Islam também concedeu dignidade, honra e direitos a todas as mulheres, garantindo esses direitos. Deus quis demonstrar que as leis do Islam eram todas praticáveis. Para demonstrar a praticabilidade dessas leis e mostrar esse "Projeto de Vida" Islâmico, Ele escolheu a casa de seus Servos Muhammad e Khadija. Sem khadija, as leis do islam teriam permanecido sem sentido. Na verdade, é até possível que o profeta Muhammad não pudesse promulgar aquelas leis sem ela. Uma das Grandes benções que Muhammad e Khadija receberam de Deus foi sua filha, Fátima Zahra. Ela nasceu após a morte de seus irmãos, Qassim e Abdullah. Ela tinha apenas 11 anos quando sua mãe morreu e Muhammad se transformou em pai e mãe para ela. Foi educando sua filha que o mensageiro de Deus demonstrou a aplicabilidade das leis do Islam. Uma vez que ele é o modelo para todos os muçulmanos, eles devem imitá-lo em todos os seus atos. Ele dedicou um amor extremado e mostrou o maior respeito por sua filha. Tanto em Macca como em Medina, muitas pessoas importantes, líderes de tribos poderosas, vinham ver o Mensageiro de Deus. Ele jamais se levantava do chão para cumprimentá-los. Mas se ele sabia que sua filha Fátima estava chegando para vê-lo, ele corria para cumprimentá-la, acompanhava-a e lhe dava o lugar de honra para se sentar. Jamais ele mostrou tanta estima e respeito por qualquer um em toda a sua vida - homem ou mulher.

É inegável que o Islam significa a prática da casa de Khadija e sem dúvida o al-Qur'an foi o "dialeto" de sua família. Sua filha Fátima, e seus netos Hassan e Hussain, cresceram falando o al-Qur'an. Não existem palavras adequadas que possam expressar os méritos de Khadija. Mas deus prometeu Sua recompensa aos Seus servos amados, como Khadija, nos seguintes versículos de Seus Livro:

"Por outra, os fiéis, que praticam o bem, são as melhores criaturas, cuja recompensa está em seu Senhor: Jardins do Éden, abaixo dos quais correm os rios, onde morarão eternamente. Deus se comprazerá com eles se comprazerão n' Ele. Isto acontecerá com quem teme o seu Senhor." (al-Qur'an 98: 7- 8)

O Mensageiro de deus honrava e estimava Khadija. Jamais discordou dela antes de receber a revelação. Mesmo após a sua morte, ele sempre se lembrar dela e não se cansava de exaltá-la. Certa vez, Aisha enciumada, disse ao Profeta:"Na verdade, Deus não lhe deu nada melhor do que uma velha." O Profeta se irritou e disse: "Não, por Deus, juro que Allah jamais me concedeu nada melhor do que ela. Ela foi a esposa que acreditou em mim quando ninguém acreditava. Ela confirmou minha honestidade quando todos me acusavam de mentiroso. Ela me sustentou quando todos me despojaram. Através dela, Allah me concedeu os filhos que nenhuma outra mulher me deu." O Profeta estava tão irritado que sua testa tremia e então eu disse para mim mesma:"O Deus, se a raiva do Profeta se aplacar nunca mais repetirei o que disse."

E Ais também disse:"Nunca mais tive ciúmes das outras esposas do Profeta como tive de Khadija. Eu não a conheci mas o Profeta costumava se lembrar sempre dela. Quando ele sacrificava um carneiro, era comum ele cortar algumas partes e mandar para os amigos de Khadija. Algumas vezes eu dizia a ele:'É como se não houvesse outra mulher no mundo além de Khadija.' E ele respondia:'Como posso esquecê-la? Ela me deu os filhos mais amados.'"

Aisha também disse:"O Mensageiro de Deus quase sempre antes de deixar a casa citava Khadija e a louvava."

Khadija, a Mãe dos Crentes, morreu ajudando o Mensageiro de Deus a transmitir o chamado do Islam. Tinha, então, 65 anos e sua morte se deu três anos antes da migração para Medina. O próprio Profeta a enterrou com suas mãos. Sua morte representou uma grande perda para ele.

Link:http://www.ziad.hpg.ig.com.br/islamismo/khadija.htm

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

A mulher no Islã: Mito e Realidade



Há 5 anos atrás, li no Toronto Star, edição de 3.7.90, um artigo intitulado "O Islam não está sozinho nas doutrinas patriarcais", de Gwyne Dyer. O artigo descrevia as reações furiosas das participantes de uma conferência sobre mulheres e poder, realizada em Montreal, aos comentários da famosa feminista egípcia, Dra. Nawal Saadawi.

Suas declarações "politicamente incorretas", incluíam: "os elementos mais restritivos em relação às mulheres, podem ser encontrados, primeiro no Judaísmo, Velho Testamento, depois no Cristianismo e, finalmente, no Alcorão"; "todas as religiões são patriarcais porque elas provêm de sociedades patriarcais"; e "o véu das mulheres não é uma prática especificamente islâmica mas, sim, um herança cultural antiga, com analogia nas religiões irmãs". As participantes não puderam ficar sentadas, enquanto suas crenças estavam sendo igualadas ao Islam. Assim, a Dra. Saadawi recebeu uma avalanche de críticas. "Os comentários da Dra. Saadawi eram inaceitáveis. Suas respostas revelavam uma falta de compreensão acerca da fé das outras pessoas" , declarou Bernice Dubois, do Movimento Mundial de Mães. "Eu tenho que protestar", disse a participante Alice Shalvi, da televisão feminina de Israel, "não existe o conceito do véu no Judaísmo". O artigo atribuía esses furiosos protestos a uma forte tendência no Ocidente de culpar o Islam por práticas que são muito mais uma parte da própria herança cultural do Ocidente.

"As feministas cristãs e judias não irão se sentar para discutir, em igualdade de condições, com as más muçulmanas", escreveu Gwyne Dyer.

Não me surpreendeu que as participantes da conferência tivessem uma tal visão negativa do Islam, especialmente por envolver questões femininas. Acredita-se, no Ocidente, que o Islam é o símbolo da subordinação das mulheres por excelência. A fim de compreendermos como está enraizada tal crença, basta mencionar que o Ministro da Educação da França, a terra de Voltaire, recentemente ordenou a expulsão das escolas francesas, de todas as jovens muçulmanas que vestissem o Hijab! Na França é negado a uma jovem muçulmana, que usa um lenço, o direito à educação, enquanto que estudantes católicos podem usar uma cruz ou um estudante judeu pode usar o solidéu. A cena de policiais franceses, impedindo jovens muçulmanas com as cabeças cobertas de entrarem no colégio, é inesquecível. Este fato nos traz à memória outra cena igualmente triste, a do Governador George Wallace, do Alabama, em l962, em pé, defronte ao portão da escola, tentando bloquear a entrada de estudantes negros, a fim de impedir a desagregação das escolas do Alabama. A diferença entre as duas cenas é que os estudantes negros tiveram a simpatia de muitas pessoas nos EUA e no mundo inteiro. O presidente Kennedy enviou a Guarda Nacional Americana para forçar a entrada dos estudantes negros. As moças muçulmanas, por outro lado, não receberam a ajuda de ninguém. Sua causa parece ter muito pouca simpatia, tanto dentro da França como fora. A razão é a incompreensão e o medo de tudo que seja islâmico no mundo atual.

O que mais me intrigou sobre a conferência de Montreal foi uma questão: As declarações feitas por Saadawi, ou qualquer de suas críticas, são verdadeiras? Em outras palavras, o Judaísmo, o Cristianismo e o Islam têm o mesmo conceito sobre as mulheres? São tais conceitos diferentes? O Judaísmo e o Cristianismo, na verdade, oferecem às mulheres um tratamento melhor do que o Islam? Qual é a verdade?

Não é tarefa fácil pesquisar e encontrar respostas para estas questões difíceis. A primeira dificuldade é que a pessoa tem que ser honesta e objetiva ou, pelo menos, fazer o máximo para o ser. Isto é o que o Islam ensina. O Alcorão instruiu os muçulmanos a dizerem a verdade, mesmo que aqueles que estejam próximos a eles não gostem disso:

"... e se falardes, sede justo, mesmo que se refira a um parente próximo" (6:152);

"Ó aqueles que creram, erijam a justiça na partilha, como testemunhas de Alá, ainda que contra vós mesmos, ou seus pais ou seus parentes, ..."

A outra grande dificuldade é o fôlego irresistível do assunto. Por essa razão, durante os últimos anos, passei muitas horas lendo a Bíblia, a Enciclopédia da Religião e a Enciclopédia Judaica, na busca de respostas. Também li muitos livros que discutem a posição das mulheres nas diferentes religiões, escritos por exegetas, apologistas e críticos. O material apresentado nos capítulos seguintes representa as descobertas importantes dessa humilde pesquisa. Eu não sou objetivo, absolutamente. Isto está além da minha limitada capacidade. Tudo que posso dizer é que tentei, através dessa pesquisa, me aproximar do ideal alcorânico de "falar imparcialmente".

Gostaria de enfatizar nesta introdução, que minha proposta para este estudo não é denegrir o Judaísmo ou o Cristianismo. Como muçulmanos, acreditamos nas origens divinas de ambos. Ninguém pode ser muçulmano sem acreditar em Moisés e Jesus como grandes profetas de Deus. Meu intento é somente afirmar o Islam e pagar um tributo para a última mensagem verdadeira de Deus para a raça humana. Também gostaria de enfatizar que me preocupei somente com a Doutrina, isto é, minha preocupação é, principalmente, a posição das mulheres nas três religiões, como aparece em suas fontes originais, e não como é praticada por seus milhões de seguidores no mundo hoje. Por causa disso, a maior parte das evidências citadas vêm do Alcorão, dos ditos do Profeta Muhammad, da Bíblia, do Talmud e dos ditos de alguns dos mais influentes padres da Igreja, cujos pontos de vista contribuíram imensamente para definir e desenhar o Cristianismo. Muitas pessoas confundem cultura com religião, e outras não sabem o que seus livros religiosos dizem, e outras ainda, sequer se preocupam com disso.

1. O ERRO DE EVA?

As três religiões concordam com um fato básico: Tanto as mulheres como os homens foram criados por Deus, o Criador de todo o Universo. Contudo, a divergência começa logo após a criação do primeiro homem, Adão, e da primeira mulher, Eva. A concepção judaico-cristã da criação de Adão e Eva está narrada detalhadamente em (Gênesis, 2:4-3:24). Lá está dito que Deus proibiu o homem de comer do fruto da árvore proibida. O Senhor Deus deu ao homem uma ordem, dizendo: "Podes comer de todas as árvores do jardim. 17 Mas, da árvore do conhecimento do bem e do mal não deves comer, porque no dia em que o fizeres serás condenado a morrer". Também deu a mesma ordem à mulher. A serpente seduziu Eva para que o comesse. E a mulher respondeu à serpente: "Do fruto das árvores do jardim, Deus nos disse 'não comais dele nem sequer o toqueis, do contrário morrereis." A serpente replicou à mulher: "De modo algum morrereis 5 É que Deus sabe que no dia em que dele comerdes, vossos olhos se abrirão e sereis como deuses, conhecedores do bem e do mal". E Eva, por sua vez, seduziu Adão para comer com ela. (Gênesis 6) A mulher notou que era tentador comer da árvore, pois era atraente aos olhos e desejável para se alcançar inteligência. Colheu o fruto, comeu-o e deu também ao marido, que estava junto. E ele comeu. E quando Deus repreendeu Adão pelo que ele havia feito, ele colocou a culpa em Eva. (Gênesis 11) Disse-lhe Deus: "E quem te disse que estavas nu? Então, comeste da árvore, de cujo fruto te proibi?"12 E o homem disse: "A mulher que me destes por companheira, foi ela que me fez provar do fruto da árvore e eu o comi". Conseqüentemente, Deus disse a Eva Gênesis 16: "Multiplicarei os sofrimentos de tua gravidez. Em meio a dores darás à luz os filhos, a paixão arrastar-te-á para o marido e ele te dominará". Para Adão Ele disse (Gênesis 17) "Porque ouviste a voz da mulher e comeste da árvore, cujo fruto te proibi comer, amaldiçoada será a terra por tua causa. Com fadiga tirarás dela o alimento durante toda a vida. 18 Produzirá para ti espinhos e abrolhos e tu comerás das ervas do campo. 19 Comerás o pão com o suor do rosto, até voltares à terra, de onde foste tirado. Pois tu és pó e ao pó hás de voltar".

O conceito islâmico da primeira criação é encontrado em muitas passagens do Alcorão, como por exemplo:

"E dissemos ó! Adão, mora tu e tua zauja (mistura companheira) no Paraíso e comam dele prosperamente onde lhes aprouver, e não vos aproximeis desta árvore e então sereis dos injustos." (Alcorão 2:35).

Então, Satanás sussurrou para eles, a fim de revelar a ambos o que lhes havia sido ocultado de SAUÉTIHIMÉ (suas ambas e outras igualmente presentes, invisíveis, não bons atributos) e, então, disse: "Não vos proibiu a ambos, Vosso Senhor, desta árvore senão de seres ambos convertidos em anjos ou de serem ambos dentre os imortais". E jurou-lhes que era um conselheiro sincero. Assim, a ambos, DALLÉHUMÉ (indicou a ambos em confiança, porém, com enganos, arrancando-os e enviando-os para baixo, no que intencionou). Quando ambos provaram da árvore, divisaram ambos suas SAUÉTIHIMÉ e começaram a cobrir-se com folhas do paraíso. E seu Senhor chamou a ambos: "Eu não vos havia proibido daquela árvore e dito a ambos que Satanás é vosso inimigo declarado?" Eles disseram: "Senhor Nosso. Nós injustiçamos a nós mesmos e se Tu não nos perdoares, Te apiedares de nós, certamente estaremos dentre os perdedores." (7:20:23).

Um exame mais cuidadoso dos dois relatos sobre a Criação, revela algumas diferenças essenciais. O Alcorão, ao contrário da Bíblia, coloca a culpa igualmente em Adão e Eva pelo erro de ambos. Não há no Alcorão a mais leve sugestão de que Eva tentou Adão, ou mesmo que ela tenha comido do fruto antes dele. Eva, no Alcorão, não é insinuante, sedutora ou vencida. Além do mais, Eva não pode ser culpada pelas dores do parto. Deus, de acordo com o Alcorão, não pune ninguém pelas faltas do outro. Ambos, Adão e Eva, cometeram um pecado e então pediram a Deus o perdão, e Ele os perdoou.

2. O LEGADO DE EVA

A imagem de Eva na Bíblia, como uma mulher sedutora, teve um impacto extremamente negativo para as mulheres através da tradição judaico-cristã. Acreditava-se que todas as mulheres haviam herdado de sua mãe, a bíblica Eva, tanto a sua culpa como a sua astúcia. Conseqüentemente, as mulheres não eram dignas de confiança, eram moralmente inferiores e más. Menstruação, gravidez e parto eram considerados punições justas para uma culpa eterna do amaldiçoado sexo feminino.

A fim de examinarmos como foi negativo o impacto da Eva bíblica sobre sua descendência feminina, temos que olhar para os escritos de alguns do mais importantes judeus e cristãos de todos os tempos. Comecemos pelo Velho Testamento, e olhemos para alguns excertos da chamada Literatura da Sabedoria, onde encontramos: "Eu acho a mulher um pouco pior do que a morte, porque ela é uma armadilha, cujo coração é um alçapão e cujas mãos são cadeias. O homem que agrada a Deus foge dela, mas ao pecador ela o aprisionará ... enquanto eu estava procurando, e não estava encontrando, achei um homem correto entre mil, mas não encontrei uma só mulher correta entre todas elas" (Eclesiastes 7:26-28).

Em outra parte da literatura hebraica, que é encontrada na bíblia católica, nós lemos: "Nenhuma maldade está mais próxima do que a maldade de uma mulher" ... "O pecado começa com a mulher e, graças a ela, todos nós devemos morrer". (Eclesiastes 25:19,24).

Os rabinos judeus listaram nove maldições infligidas às mulheres, como resultado da Queda:

"Para a mulher Ele deu nove maldições e a morte: o peso do sangue da menstruação e o sangue da virgindade; o peso da gravidez; o peso do parto; o peso de educar crianças; sua cabeça é coberta como no luto; ela fura a orelha como uma escrava permanente, ou escrava que serve ao seu senhor; ela não deve ser tomada por testemunha; e depois de tudo -- a morte". (2)

Nos dias atuais, judeus ortodoxos, em suas preces matinais diárias, recitam "Abençoado seja Deus, Rei do universo que não nos fez mulher". As mulheres, por outro lado, agradecem a Deus cada manhã por "me fazer de acordo com Tua vontade". (3) Outra oração encontrada em muitos livros de preces judeus: "Louvado seja Deus que não me criou gentio. Louvado seja Deus que não me criou mulher. Louvado seja Deus que não me criou ignorante". (4)

A Eva bíblica desempenhou um papel mais importante no Cristianismo do que no Judaísmo. Seu pecado foi a base de toda a fé cristã, porque a concepção cristã da razão da missão de Jesus Cristo na terra provém da desobediência de Eva. Ela pecou e, então, seduziu Adão para segui-la em seu propósito. Consequentemente, Deus expulsou a ambos do céu para a terra, que foi amaldiçoada por causa deles. Eles herdaram seus pecados, os quais não foram perdoados por Deus e, por isso, todos os humanos nascem em pecado. A fim de purificar os seres humanos do "pecado original", Deus teve que sacrificar, na cruz, Jesus, que é considerado o filho de Deus. Em razão disso, Eva é culpada de seu próprio pecado, do pecado de seu marido, do pecado original de toda a humanidade e da morte do Filho de Deus. Em outras palavras, uma só mulher, agindo por conta própria, causou toda a queda da humanidade (5). O que dizer sobre suas filhas? Elas são pecadoras como Eva e devem ser tratadas como tal. Ouçam o tom severo de São Paulo no Novo Testamento: Uma mulher deve aprender em calma e total submissão. Eu não permito a uma mulher ensinar ou ter autoridade sobre um homem; ela deve ser calada. Porque Adão foi feito primeiro, e depois Eva. E Adão não foi o que perdeu, foi a mulher que perdeu e se tornou pecadora (I Timóteo 2:11-14).

São Tertuliano foi mais brando que São Paulo, quando falava "às queridas irmãs" na fé. Ele dizia (6): "Vocês sabem que cada uma de vocês é uma Eva? A sentença de Deus sobre o sexo de vocês subsiste até agora: a culpa necessariamente subsiste também. Vocês são a porta de entrada para o Diabo: Vocês são a marca da árvore proibida: Vocês são as primeiras desertoras da divina lei: Vocês são aquelas que persuadiram o homem de que o diabo não precisava ser atacado. Vocês destruíram tão facilmente a imagem de Deus, o homem. Por causa de sua deserção, o Filho de Deus teve que morrer".

Santo Agostinho foi fiel ao legado de seus antecessores. Ele escreveu a um amigo: "Qual é a diferença, seja uma esposa ou uma mãe, ainda assim é da Eva tentadora que devemos nos precaver em qualquer mulher. Eu não consigo ver qual o uso que uma mulher pode ter para um homem, exceto a função de dar à luz crianças".

Séculos mais tarde, São Tomás de Aquino ainda considerava a mulher como um defeito: "Com relação à natureza individual, a mulher é defeituosa e mal feita, porque a força ativa na semente masculina tende para a produção de uma perfeita semelhança no sexo masculino; enquanto que a produção da mulher provém de um defeito na força ativa ou de alguma indisposição material, ou mesmo de algumas influências externas".

Finalmente, o famoso reformador Martinho Lutero não conseguia ver qualquer benefício em uma mulher, a não ser trazer ao mundo tantas crianças quanto possível, apesar das conseqüências: "Se elas se cansarem ou mesmo morrerem, isto não é problema. Deixe-as morrer no parto, é para isso que estão aqui".

Muitas vezes as mulheres foram denegridas por causa da imagem de Eva como a tentadora, graças ao relato em Gênesis. Para resumir, a concepção judaico-cristã sobre as mulheres foi envenenada pela crença na natureza pecaminosa de Eva e de sua descendência feminina.

Se agora voltarmos nossa atenção para o que o Alcorão diz sobre as mulheres, logo perceberemos que a concepção islâmica sobre elas é radicalmente diferente daquela encontrada no conceito judaico-cristão. Deixemos que o Alcorão fale por si mesmo:

"Quanto aos muçulmanos e muçulmanas, aos fiéis e às fiéis, aos devotados e às devotadas, aos verdadeiros e às verdadeiras, aos homens e mulheres que são perseverantes, aos homens e mulheres que são humildes, para os homens e mulheres que fazem a caridade, para os homens e mulheres que jejuam, aos homens e mulheres que guardam a castidade, e aos homens e mulheres que se comprometem em louvar Alá, para todos eles Alá preparou o perdão e uma grande recompensa" (33:35).

"Os crentes, homens e mulheres, são protetores uns dos outros: usufruem do que é justo e proíbem o mal, observam as preces regulares, praticam a caridade regularmente e obedecem a Alá e Seu Mensageiro. Sobre eles Alá despejará Sua Misericórdia: porque Alá é Exaltado em poder e sabedoria" (9:71)

"E seu Senhor respondeu a eles: Verdadeiramente, jamais perderei a obra de qualquer um de vós, seja homem ou mulher, porque procedeis uns do outros" (3:195)

"Quem cometer uma iniqüidade será pago na mesma moeda e aquele que praticar o bem, seja homem ou mulher, e é um crente, entrará no Jardim de felicidade" (40:40).

"Quem praticar o bem, seja homem ou mulher, e for fiel, concederemos uma vida agradável e premiaremos com uma recompensa, de acordo com o melhor de suas ações" (16:97).

Está claro que a visão do Alcorão a respeito da mulher não difere da do homem. Ambos são criaturas de Deus e têm como sublime meta adorar seu Senhor, fazer boas ações e evitar o mal e por isso serão avaliados harmoniosamente. O Alcorão jamais menciona que a mulher é a porta de entrada para o mal ou que ela é uma enganadora por excelência. O Alcorão também jamais menciona que o homem é a imagem de Deus. Homens e mulheres são suas criaturas e só.

De acordo com o Alcorão, o papel da mulher na terra não está limitado somente ao parto. Dela se exige fazer boas ações, tanto quanto é exigido dos homens. O Alcorão nunca diz que jamais existiu uma mulher correta. Pelo contrário, o Alcorão instruiu a todos os crentes, homens e mulheres, a seguir o exemplo daquelas mulheres , tais como a Virgem Maria e a esposa do Faraó:

"E Deus dá, como exemplo aos fiéis, o da esposa do Faraó, que disse: Ó Senhor meu, construí, junto a ti, uma morada no Paraíso e livra-me do Faraó e de suas ações, e salva-me dos iníquos! E com Maria, filha de Imram, que conservou seu pudor e a qual alentamos com o Nosso Espírito; e ela testemunhou a verdade das palavras de seu Senhor e de Suas revelações e era uma das devotas" (66:11/13).

3. FILHAS VERGONHOSAS?

Realmente, a diferença entre a atitude bíblica e a alcorâmica, em relação ao sexo feminino, começa logo que a mulher nasce. Por exemplo, a Bíblia estabelece que o período do ritual materno da impureza é duas vezes mais longo no caso do nascimento de uma menina do que no de um menino (Levítico 12:2-5) . A Bíblia Católica estabelece explicitamente que: "O nascimento de uma filha é uma prejuízo" (Eclesiastes 22:3). Em contraste com essa absurda declaração, os meninos recebem especial louvor: "Um homem que educa seu filho será invejado por seu inimigo" (Eclesiastes 30:3).

Os rabinos judeus tornaram uma obrigação para os homens produzirem uma descendência, a fim de propagar a raça. Ao mesmo tempo, eles não escondiam sua preferência por meninos: "É bom para aqueles cujas crianças são meninos, mas é mau para aqueles cujas crianças são meninas", " no nascimento de um menino tudo é alegria ... no nascimento de uma menina tudo é tristeza", e "Quando um menino chega ao mundo, a paz chega ao mundo ... Quando uma menina chega ao mundo, nada chega". (7)

Uma filha é considerada um peso doloroso, uma fonte potencial de vergonha para seu pai: "Sua filha é teimosa? Mantenha um olhar firme para que ela não faça de você um motivo de gargalhada para seus inimigos, de falatório na cidade, objeto de fofocas e coloque você em situação de vergonha pública" (Eclesiastes 42:11). Mantenha uma filha teimosa sob firme controle ou ela abusará de qualquer indulgência que receba. Mantenha vigilância sobre seu olho sem-vergonha, não se surpreenda se ela o desgraçar" (Eclesiastes 26:10-11). Foi esta mesma idéia de tratar as filhas como fonte de vergonha, que levou os árabes pagãos , antes do advento do Islam, a praticar o infanticídio feminino. O Alcorão condena vigorosamente esta prática hedionda:

"Quando a algum deles é anunciado o nascimento de uma filha o seu semblante se entristece e fica angustiado. Oculta-se do seu povo, pela má notícia que lhe foi anunciada: deixá-la-á viver, envergonhado, ou a enterrará viva? Que péssimo é o que julgam." (16:58/59).

Deve ser dito que, este crime sinistro, jamais teria parado na Arábia, não fora a força dos termos que o Alcorão usou para condenar tal prática (l6:59, 43:17, 8l:8/9).

Além disso, o Alcorão não faz distinção entre meninos e meninas. Em contraste com a Bíblia, o Alcorão considera o nascimento de uma mulher como um presente e uma bênção de Deus, da mesma forma que o nascimento de um menino.O Alcorão sempre menciona o presente do nascimento feminino primeiro:

"A Alá pertence o domínio dos céus e da terra. Ele cria o que lhe apraz. Concede filhas a quem quer e filhos a quem lhe apraz" (42:49).

A fim de apagar qualquer traço do infanticídio feminino na nascente sociedade muçulmana, o Profeta Mohammad prometeu àqueles que fossem abençoados com filhas uma grande recompensa, se eles as tratassem gentilmente: "Aquele que se ocupa da educação das filhas e as trata benevolentemente, estará protegido contra o Inferno" (Bukhari e Muslim). "Aquele que mantém duas meninas, até que elas atinjam a maturidade, ele e eu chegaremos no dia da ressurreição desse modo: e ele juntou seus dedos" (Muslim).

4. A EDUCAÇÃO FEMININA?

A diferença entre os conceitos bíblicos e os alcorânicos sobre a mulher não está limitada apenas ao seu nascimento, ela vai muito mais longe. Comparemos suas atitudes em relação à mulher, tentando aprender sua religião. O coração do judaísmo é a Tora, a lei. Contudo, de acordo com o Talmud, "as mulheres estão isentas de estudarem a Tora". Alguns rabinos declaram firmemente "é preferível que as palavras da Tora sejam destruídas pelo fogo a serem partilhadas com uma mulher", e "aquele que ensina a sua filha a Tora é como se ele lhe ensinasse obscenidade" (8).

A atitude de São Paulo no Novo Testamento não é mais inteligente: "Como em todas as congregações de santos, as mulheres devem permanecer caladas nas igrejas. Não é permitido a elas falar, e devem ser submissas, como a lei diz. Se elas quiserem perguntar sobre alguma coisa, devem perguntar aos seus maridos em casa; porque é vergonhoso para uma mulher falar nas igrejas". (I Coríntios 14:34/35)

Como pode a mulher se instruir se não lhe é permito falar? Como pode uma mulher crescer intelectualmente se ela é obrigada a um estado de completa submissão? Como pode ela delinear seus horizontes, se sua única fonte de informação é seu marido em casa?

Agora, para ser gentil, devemos perguntar: A posição alcorânica é diferente? Uma pequena estória narrada no Alcorão resume sua posição concisamente. Khawlah era uma muçulmana, cujo marido Aws declarou, em um momento de raiva: "Para mim você é como as costas de minha mãe". Isto era tomado como uma declaração de divórcio pelos árabes pagãos e liberava o marido de qualquer responsabilidade conjugal, mas não deixava a esposa livre para deixar a casa do marido ou para se casar de novo. Tendo ouvido estas palavras de seu marido, Khawlah estava numa triste situação. Ela foi direto ao Profeta do Islam para apelar para o seu caso. O Profeta era de opinião que ela deveria ser paciente, desde que parecesse que não havia outro caminho. Khawlah continuou questionando o Profeta, na esperança de salvar o seu casamento. Rapidamente, o Alcorão interveio e o apelo de Khawlah foi aceito. O veredicto divino aboliu este costume iníquo. Um capítulo inteiro (Capítulo 58) do Alcorão, intitulado A Discussão, ou "A mulher que questionou", foi nomeado após este incidente:

"Alá ouviu e aceitou a declaração da mulher que apela a você (o Profeta) acerca de seu marido e leva sua queixa à Alá e Alá ouve os argumentos entre vocês, porque Alá ouve e vê todas as coisas ..." (58:1)

A mulher na concepção alcorânica, tem o direito de argumentar, mesmo com o Profeta do Islam. Ninguém tem o direito de instruí-la a ficar calada. Ela não é obrigada a considerar seu marido como a única referência em matéria de lei e religião.

5. A MULHER SUJA E IMPURA

As leis e regulamentos judaicos, referentes à mulher menstruada, são extremamente restritivos. O Velho Testamento considera qualquer mulher menstruada impura e suja. Além disso, sua impureza "infecta" outras pessoas também. Qualquer um ou qualquer coisa tocada por ela torna-se sujo por um dia: "Quando uma mulher tem seu fluxo regular de sangue, a impureza de seu período mensal durará por sete dias e qualquer um que a toque estará sujo até a noite. Qualquer lugar onde ela se deite, durante o seu período, ficará sujo e qualquer lugar onde ela se sente ficará sujo. Qualquer um que toque sua cama precisa lavar suas roupas e banhar-se com água e ele ficará sujo até a noite. Qualquer um que toque qualquer lugar onde ela se senta deve lavar suas roupas e banhar-se com água e ele estará sujo até a noite. Se for a cama ou qualquer coisa que ela estava sentada, que alguém tocou, ele ficará sujo até a noite" (Levítico 15:19/23).

Devido à sua natureza "contaminadora", uma mulher menstruada era "banida" algumas vezes, a fim de evitar qualquer possibilidade de contato com ela. Ela era mandada para um lugar especial, chamado "a casa das impuras", por todo o período de sua impureza (9). O Talmud considera a mulher menstruada como "fatal", mesmo que não haja qualquer contato físico: "Nossos rabinos ensinaram: ... se uma mulher menstruada passar entre 2 (homens), se ela estiver no início de suas regras, ela matará um deles e se estiver no final de suas regras ela causará briga entre eles" (Pes. 111a.)

Além disso, o marido de uma mulher menstruada era proibido de entrar na sinagoga, se ela o tivesse feito ficar impuro, mesmo que pela poeira de seus pés. Um pastor, cuja esposa, filha ou mãe estivessem menstruadas, não podia recitar as bênçãos na sinagoga (10) . Não espanta que muitas mulheres judias se refiram à menstruação como "a maldição".

O Islam não considera a mulher menstruada como possuída por qualquer espécie de "sujeira contagiosa". Ela não é nem "intocável" nem "amaldiçoada". Ela pratica sua vida normal, apenas com algumas restrições. Um casal não pode ter relações sexuais durante o período menstrual. Qualquer outro contato físico entre eles é permitido. Uma mulher menstruada está isenta de alguns rituais, tais como as preces diárias e o jejum durante o seu período.

6. DAR O TESTEMUNHO

Outra questão, na qual o Alcorão e a Bíblia discordam, é a que se refere ao testemunho da mulher. Na verdade, o Alcorão instruiu os crentes a fazerem transações financeiras com o testemunho de 2 homens ou 1 homem e 2 mulheres (2:282). Contudo, é também verdade que o Alcorão, em outras situações, aceita o testemunho da mulher tão igual quanto ao do homem. Realmente, o testemunho da mulher pode mesmo invalidar o do homem. Se um homem acusa sua esposa de falta de castidade, exige-se dele um juramento solene pelo Alcorão, por 5 vezes, como evidência da culpa de sua esposa. Se a esposa nega e jura igualmente 5 vezes, ela não é considerada culpada e em qualquer dos casos o casamento é dissolvido (24:6/11).

Por outro lado, as primeiras sociedades judaicas (12) não permitiam o testemunho feminino . Os rabinos contavam entre as 9 maldições infligidas às mulheres por causa da queda, a de não ser capaz de prestar testemunho (ver a seção "Legado de Eva"). Hoje, em Israel, as mulheres não podem apresentar provas em cortes rabínicas (13). Os rabinos justificam o fato de as mulheres não poderem prestar testemunho, citando o Gênesis 18:9/16, onde está estabelecido que Sara, esposa de Abraão, havia mentido. Por causa desse incidente, os rabinos desqualificaram o testemunho feminino. Deve-se notar que esta estória narrada em Gênesis 18:9/16 foi mencionada mais de uma vez no Alcorão, sem qualquer sugestão de que Sara houvesse mentido (11:69/74, 5l:24/30). No ocidente cristão, as leis civis e eclesiásticas proibiam as mulheres de dar testemunho até o final do século passado (14).

Se um homem acusa sua mulher de infidelidade, seu testemunho, segundo a Bíblia, não será considerado de maneira nenhuma. A esposa acusada tinha que ser submetida a um julgamento penoso. Neste julgamento, a esposa enfrentava um ritual complexo e humilhante, no qual se supunha provar sua culpa ou inocência (Números 5:11/31). Se ela fosse culpada ela seria sentenciada à morte. Se ela fosse inocente, seu marido seria inocentado de qualquer injustiça. Além disso, se um homem toma uma mulher como esposa e, então, ele a acusa de não ser virgem, o testemunho dela não será levado em conta. Seus pais tinham que trazer provas de sua virgindade ante os mais velhos da cidade. Se os pais não pudessem provar a inocência de sua filha, ela seria apedrejada até a morte na soleira da casa de seus pais. Se os pais não fossem capazes de provar sua inocência, o marido seria obrigado a pagar uma multa e não poderia se divorciar da esposa enquanto ele vivesse: "Se um homem toma uma esposa e, após deitar com ela, se desagrada dela e a difama chamando-a por nomes feios, dizendo, "Eu me casei com esta mulher, mas quando eu me aproximei dela eu não encontrei provas de sua virgindade", então os pais da moça deverão trazer para os mais velhos da cidade a prova de que ela era virgem. O pai da moça dirá aos mais velhos, "Eu dei minha filha em casamento a este homem, mas ele se antipatizou com ela. Agora, ele está difamando-a e diz "eu não encontrei a sua filha virgem". Mas, aqui está a prova da virgindade da minha filha". Então, seus pais exibirão a roupa perante os anciãos da cidade e eles punirão o homem. Eles o multarão em 100 moedas de prata e as darão ao pai da moça, porque esse homem deu um nome mau para uma virgem israelita. Ela continuará a ser sua esposa e ele não poderá se divorciar dela enquanto viver. Se, contudo, a acusação for verdadeira e nenhuma prova da virgindade da moça puder ser encontrada, ela será trazida à porta da casa de seu pai e lá, os homens da cidade a apedrejarão até a morte. Ela fez uma coisa vergonhosa para Israel, sendo promíscua enquanto estava na casa de seu pai. O mal deve ser expurgado de entre vocês." (Deuteronômio 22:13/21)

7. O ADULTÉRIO

O adultério e a fornicação são considerados pecados em todas as religiões. A Bíblia decreta a sentença de morte para ambos os adúlteros (Levítico 20:10). O Islam, igualmente, pune tanto o adúltero como a adúltera (24:2). Contudo, a definição alcorânica é muito diferente da definição bíblica. O adultério, de acordo com o Alcorão, é o envolvimento de um homem casado ou uma mulher casada em um caso extraconjugal. A Bíblia somente considera adultério o caso extraconjugal de uma mulher casada. (Levítico 20:10, Deuteronômio 22:22. Provérbios 6:20/7:27).

"Se um homem é encontrado dormindo com a esposa de outro homem, ambos devem morrer. Deve-se expurgar o mal de Israel" (Deuteronômio 22:22).

"Se um homem comete adultério com a esposa de outro homem, ambos, adúltero e adúltera devem ser colocados para morrer" (Levítico 20:10).

De acordo com a definição bíblica, se um homem casado dorme com uma mulher solteira, isto não é considerado crime de forma nenhuma.

O homem casado, que tem relações extraconjugais com mulheres solteiras, não é um adúltero e as mulheres solteiras envolvidas com ele não são consideradas adúlteras. O crime de adultério é cometido somente quando um homem, seja casado ou solteiro, dorme com uma mulher casada. Neste caso, o homem é considerado adúltero, mesmo que ele não seja casado, e a mulher é considerada adúltera. Em resumo, o adultério é qualquer ato sexual ilícito envolvendo mulher casada. O caso extraconjugal de um homem casado não é, de per si, um crime na Bíblia. Por que este padrão moral duplo? De acordo com a Enciclopédia Judia, a esposa era considerada como posse de seu marido e o adultério constituía a violação do exclusivo direito do marido sobre ela; a esposa, como posse do marido, não tinha direito sobre ele (15). Quer dizer, se um homem tinha uma relação sexual com uma mulher casada, ele estaria violando a propriedade de outro homem e, assim, deveria ser punido.

Nos dias atuais em Israel, se um homem casado se entrega a um caso extraconjugal com um mulher solteira, seus filhos com esta mulher são considerados legítimos. Mas, se uma mulher casada tem um caso com outro homem, seja casado ou solteiro, seus filhos com este homem são considerados ilegítimos e bastardos e são proibidos de casar com qualquer outro judeu, exceto com os convertidos e com outros bastardos. Este impedimento cessa após a 10a. geração, quando se presume que a mancha do adultério enfraqueceu-se (16).

O Alcorão, por outro lado, nunca considera uma mulher como posse de qualquer homem. O Alcorão eloqüentemente descreve a relação entre os esposos dizendo:

"E entre os Seus sinais está que Ele criou para vós companheiros de entre vós mesmos, os quais vós podeis habitar em tranqüilidade com eles e Ele colocou amor e misericórdia em vossos corações: verdadeiramente, nisto há sinais para aqueles que refletem" (30:21).

Este é o conceito alcorânico de casamento: amor, misericórdia e tranqüilidade, não posse e padrões duplos.

8. JURAMENTOS

De acordo com a Bíblia, um homem deve cumprir quaisquer juramentos que ele faça a Deus. Ele não pode quebrar a sua palavra. Por outro lado, o juramento de uma mulher não cria necessariamente uma obrigação para ela. Deve ser aprovado pelo seu pai, se ela está morando em sua casa, ou por seu marido, se ela for casada. Se um pai/marido não endossa os juramentos de sua filha/esposa, todas as garantias feitas por ela tornam-se nulas e inócuas: "Mas, se seu pai a proíbe quando ele a ouve fazer o juramento, nenhum de seus juramentos ou garantias pelas quais ela se obrigava, permanecerão ... Seu marido pode confirmar ou anular qualquer juramento que ela faça ou qualquer garantia prometida para negar-lhe" (Números 30:2/15).

Por que a palavra de uma mulher não a sujeita de per si? A resposta é simples: porque ela é propriedade de seu pai, antes do casamento, ou de seu marido após o casamento. O controle paterno sobre sua filha era absoluto até o ponto em que, se ele o desejasse, poderia vendê-la! Está indicado nos escritos dos rabinos que: "O homem pode vender sua filha, mas a mulher não pode vender sua filha; o homem pode contratar casamento para a sua filha, mas a mulher não pode fazê-lo para sua filha". (17). A literatura rabínica também indica que o casamento representa a transferência de controle do pai para o marido: "o noivado, fazendo da mulher a posse sacrossanta - a propriedade inviolável -- do marido ..."; Obviamente, se a mulher é considerada propriedade de alguém, ela não pode dar qualquer garantia que seu dono não aprove.

É de interesse notar que esta instrução bíblica, relativa aos juramentos das mulheres, teve repercussões negativas sobre as mulheres judias e cristãs até o início deste século. Uma mulher casada, no mundo ocidental, não tinha status legal. Nenhum ato seu tinha qualquer valor legal. Seu marido podia repudiar qualquer contrato, comércio ou negócio feito por ela. As mulheres no ocidente (as maiores herdeiras do legado judaico-cristão) eram tidas como incapazes de cumprir contratos porque elas eram praticamente a posse de alguém. As mulheres ocidentais sofreram por quase 2 mil anos por causa da postura bíblica em relação à posição da mulher, vis-a-vis seus pais e maridos (18).

No Islam, o juramento de cada muçulmano, homem ou mulher, o/a sujeita. Ninguém tem o poder de repudiar as garantias de quem quer que seja. Falhar na manutenção de um juramento solene, feito por um homem ou uma mulher, tem que ser expiado conforme indicado no Alcorão: "Ele (Deus) vos chamará pelos vossos juramentos deliberados: como expiação, alimentai dez pessoas indigentes, da maneira como alimentais vossa família,. ou vesti-os, ou libertai um escravo. Se isso estiver além de vossas posses, jejuai por 3 dias. Esta é a expiação para os vossos perjúrios. Mantenham, pois, vossos juramentos" (5:89).

Os companheiros do Profeta Muhammad, homens e mulheres, costumavam apresentar seus juramentos de submissão a ele pessoalmente. As mulheres, tanto quanto os homens,vinham livremente até ele e prestavam seus juramentos: "Ó Profeta, quando as mulheres crentes vierem a ti para fazer um acordo contigo de que elas não atribuirão parceiros a Deus, nem roubarão, ou fornicarão, ou matarão seus próprios filhos, não matarão ninguém, nem desobedecerão a ti em qualquer assunto, então tome este compromisso com elas e peça a Deus o perdão para os pecados delas. Na verdade, Deus é Perdoador e o mais Misericordioso (60:12).

Um homem não pode fazer um juramento por conta de sua filha ou esposa. Nem pode um homem repudiar o juramento feito por quaisquer de suas parentes femininas.

9. PROPRIEDADE DA ESPOSA?

As três religiões dividem uma fé inabalável na importância do casamento e da vida familiar. Elas também concordam na liderança do marido sobre a família. No entanto, diferenças gritantes existem entre as três religiões, com relação aos limites dessa liderança. A tradição judaico-cristã, diferente do Islam, virtualmente estende a liderança do marido até o direito de posse de sua esposa.

A tradição judaica, com referência ao papel do marido em relação a sua esposa, origina-se do conceito de que ele a possui como sua escrava (19). Este conceito foi a razão que norteou o padrão duplo nas leis do adultério e na capacidade de o marido anular os juramentos de sua esposa. Este conceito foi também o responsável para se negar à esposa qualquer controle sobre sua propriedade ou ganhos. Assim que a mulher judia se casava, ela perdia completamente qualquer controle sobre sua propriedade e ganhos para o seu marido. Os rabinos judeus afirmavam que o direito do marido sobre a propriedade de sua esposa era um corolário de sua posse sobre ela: "Desde que alguém entre na posse da mulher não deveria entrar na posse de sua propriedade também?" , e "Desde que ele tenha adquirido a mulher, não deve ele adquirir sua propriedade também?" (20). Assim, o casamento determinava que a mulher mais rica ficasse praticamente sem um tostão. O Talmud descreve a situação financeira da esposa como se segue:

"Como pode uma mulher ter alguma coisa; o que quer que seja dela, pertence ao seu marido? O que é dele é dele e o que é dela é também dele ... Seus ganhos, e o que ela possa encontrar nas ruas, também são dele. Os artigos domésticos, mesmo as migalhas de pão sobre a mesa, são dele. Ter um convidado em sua casa e alimentá-lo é roubar de seu marido ..." (San. 71a, Git. 62a.).

A questão é que a propriedade da mulher judia significava atrair pretendentes. A família judia fixava para sua filha uma quota representativa do estado de seu pai, a ser usada como dote em caso de casamento. Era este dote que tornava as filhas judias um peso inoportuno para seus pais. O pai tinha que educar sua filha por anos e então prepará-la para o casamento, providenciando um grande dote. Assim, a moça na família judia era uma obrigação e não um direito (21). Esta responsabilidade explica por que o nascimento de uma filha não era celebrado com alegria nas antigas sociedades judias (ver a seção "Filhas Vergonhosas?". O dote era o presente de casamento apresentado ao noivo sob os termos de contrato. O marido agia como o proprietário do dote mas não podia vendê-lo. A noiva perdia qualquer controle sobre o dote no momento do casamento. Além disso, esperava-se dela trabalhar após o casamento e todos os seus ganhos tinham que ir par seu marido, como paga por sua manutenção, a qual era obrigação dele. Ela poderia ter de volta sua propriedade somente em duas situações: divórcio ou a morte do marido. Se ela morresse primeiro, ele herdaria sua propriedade. No caso da morte do marido, a esposa poderia retomar sua propriedade de antes do casamento, mas não se habilitava a herdar qualquer cota de propriedade do marido falecido. Deve-se acrescentar que o noivo também tinha que apresentar seu presente de casamento à noiva, contudo, de novo, ele era praticamente o proprietário deste presente enquanto eles permanecessem casados. (22).

O cristianismo, até recentemente, seguiu a mesma tradição judaica. No império cristão romano (após Constantino), tanto as autoridades civis como as religiosas, exigiam um acordo sobre a propriedade, como condição para o reconhecimento do casamento. As famílias ofereciam às suas filhas aumento dos dotes e, como resultado, os homens tendiam a se casar mais cedo, enquanto que as famílias retardavam o casamento delas até o máximo. (23). Pela lei canônica, uma esposa se habilitava à restituição de seu dote se o casamento fosse anulado, a menos que ela fosse culpada de adultério. Neste caso, ela perdia seu direito ao dote, o qual permanecia nas mãos do marido (24). Pelas leis canônica e civil, uma mulher casada, na Europa cristã e na América, até o final do séc. XIX e início do séc. XX, perdia os direitos a sua propriedade. Os direitos da mulher inglesa, por exemplo, foram compilados e publicados em l632. Estes "direitos" incluíam: "Aquilo que o marido possui é seu. Aquilo que a esposa tem é do marido" (25)

A esposa não somente perdia sua propriedade após o casamento, como perdia sua personalidade também. Nenhum ato jurídico dela tinha valor legal. Seu marido podia repudiar qualquer compra ou presente feito por ela como sendo nulo de qualquer valor legal. A pessoa com quem ela tivesse contratado era tomado como um criminoso por ter participado de uma fraude. Além disso, ela não podia processar, sequer seu marido, nem ser processada (26). Uma mulher casada era praticamente tratada como uma criança aos olhos da lei. A esposa simplesmente pertencia a seu marido e, por isso, ela perdia sua propriedade, sua personalidade jurídica e seu nome de família (27)


Dr.Sherif Abdel Azeem Mohammed

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Mulher muçulmana







Por:



Tárcio Leotério









Mais uma sexta-feira está chegando, é um dia sagrado no islã, o dia em que os crentes em todo o mundo islâmico se reúnem para realizar suas orações, suas preces e, em comunhão, se confraternizar com os demais companheiros de fé num clima amigável de paz e submissão a Deus, e é neste cenário que se encontram muitas brasileiras que adotaram o islã com uma nova forma de vida.




O islamismo cresce a passos galpoantes, devido a minha constante presença na mesquita do bairro do Pari em SP é comum ver mulheres que chegam a mesquita com aquele ar de curiosidade e sempre perguntam "Oi, gostaria de conhecer mais o islã" e muitas também após terem conhecido a religião chegam para se converter e aceitar a nova fé em suas vidas.




O que leva essas mulheres a abraçar uma fé que para os olhos do mundo ocidental é uma religião que oprime e degrine as mulheres? Qual são os verdadeiros motivos para mudar paulatinamente muitos hábitos do dia-a-dia em pról de uma nova crença?




As respostas podem parecer dificeis e complicadas de serem respondidas, mas não são. A maioria das mulheres brasileiras optam pelo islã, pois o islamismo ao contrário da maioria de outras crenças possuiu um código completo de conduta, algo que eu chamo de religião "fullpack" ou Religião pacote completo, pois no islam existem todos os códigos de conduta para uma pessoa viver, ou seja, códigos de conduta militar, civil, religioso, jurídico e de cidadania, não é de se espantar que mais e mais mulheres se juntem em larga de escala a novas muçulmanas no mundo, o islã é uma religião que defende os interesses das mulheres de forma clara e objetiva.




Em paises como o Brasil, o corpo da mulher sempre foi explorado como algo para ser desejado ao extremo, praticamente como um bem material, motivo de cobiça, a imagem da mulher brasileira no exterior em muitos casos é visto como algo ligado a sexualidade e ao erotismo, trazendo a imagem de que a mulher é apenas glúteos e bustos.




As mulheres muçulmanas são modestas, a grande maioria usa hijab e se sente feliz com isso, as uçulmanas brasileiras aderiram ao islam por vários motivos e entre esses motivos está em não serem vistas como um mero objeto masculino para ser utilizado ao seu bel prazer.




As muçulmanas brasileiras são como todas as demais mulheres no mundo, gostam de se vestir bem, de se maquiar, utilizar roupas coloridas, em enfim, buscam como todas a felicidade em Deus, na familia e nos amigos, Possuem sonhos e desejos, um bom marido que a faça feliz, uma boa carreria em seu ambiente de trabalho e ótimas notas na faculdade, é o momento de acabarmos de vez com esse preconceito de que a mulher muçulmana é uma coitadinha !




Neste dia internacional da mulher gostaria de dedicar este artigo a todas essas mulheres que driblam os preconceitos e as dificuldades em pról de sua fé e de sua felicidade, mulheres que lutam como boas esposas, ótimas filhas, maravilhosas mães e excepcionais profissionais, sem abrir mão da ternura, do carinho, do carisma e do charme de uma grande mulher.




Mulher Muçulmana parabéns !




Tárcio.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Um toque feminino na realeza




Por:
Tárcio A. Leotério


O cenário não poderia ser mais clichê, um país árabe, no meio do deserto, que já havia entrado em guerra com a maior potência na região (no caso Israel), abriga um número estratosférico de refugiados palestinos e para concluir, uma nação forjada nas antigas tradições dos beduínos, então vem a famosa questão: Poderia uma nação como esta abrigar uma mulher com um nível intelectual altíssimo e com um carisma jamais visto desde a Princesa Diana ? A resposta é sim! Eu seu nome é Rania Al-Abdullah, e ela é Rainha do Reino Hashemita da Jordânia.

A Rainha Rania é o que podemos chamar de um grande exemplo e também de uma grande exceção, primeiro, um grande exemplo por sua verdadeira luta em prol dos direitos das mulheres em todo mundo, a rainha Rania é uma verdadeira amazona quando se trata de questões ligadas a causas humanitárias, sejam elas causas ligadas as crianças vitimas de minas terrestres no Sudão ou então quando se trata de violência contra a mulher seja no oriente médio ou em nações do ocidente.

A rainha sempre surpreende, se já não bastasse suas façanhas num mundo dominado pelo machismo antiquado e patriarcal em pleno século XXI, ela sempre conseguia romper barreiras, tanto é que o rei Abdullah, seu marido, a condecorou com a patente de coronel das forças reais jordanianas.

Apesar de todas as causas pelas quais lutava, isso parecia não ser era suficiente para essa brava mulher, mãe de três filhos, ela queria mais, e conseguiu.

Há alguns anos Rania criou uma verdadeira campanha para acabar com o islamofobismo no mundo, após os ataques de 11 de setembro a imagem do islamismo se tornava cada vez mais turva, as pessoas criaram uma imagem errônea do islamismo, tudo isso graças aos terroristas e com a ajuda dos meios mediáticos, e cabia mais uma vez a Rania lutar por justiça, e a arma que ela utilizaria seria a mais eficaz do mundo moderno, a Internet.

Graças a Internet, essa mulher que é rainha, coronel e ativista dos direitos humanos, lutava por mais uma causa, sempre que podia ela incluía vídeos no site Youtube, explicando o que era o islamismo e seus pilares, desde pequena Rania estudava o Alcorão com assiduidade ou seja, ela conhecia a religião, assim, pessoas do mundo todo enviavam perguntas relacionadas ao islamismo e ela respondia de forma segura e clara.




Líderes religiosos conservadores achavam um absurdo uma mulher dar explicações sobre o Alcorão e a fé muçulmana da forma que ela fazia ainda mais sem estar utilizando o hijab, o véu islâmico, mas isso não foi o suficiente para calar nossa nobre ativista.



O dia internacional da mulher está chegando, e junto com este dia chega a esperança de que surjam mais Ranias pelo mundo a fora, lutando por melhorias para todas as mulheres e crianças, quebrando paradigmas e preconceitos, fazendo deste um mundo, um mundo melhor para todos.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Tantas situações....



Ser muçulmana em em um pais onde a religião não tenha grande numero de adeptos, ou um pais sem maiores envolvimentos, conhecimentos com a cultura, árabe, islâmica, oriental, é muito difícil. É um exercício constante de paciência! É praticamente impossível na Europa, América, encontrar uma muçulmana que nunca tenha passado por situações constrangedoras. Eu pessoalmente já passei por inúmeras, algumas na época me magoaram, mas hoje quando vejo para trás dou risada.. rsrs.

Eu noto uma mudança no comportamento das pessoas que não são muçulmanas, que conhecem pouco, quando vêem um muçulmana. Com certeza o marco contemporaneo na forma de ver uma muçulmana foi a partir do dia 11 de setembro de 2001, a partir destes dia todas nós passamos a sermos vistas como bombas em potencial. Rsrs. Antes falava-se do muçulmano, o esteriótipo de oprimidas, sofredoras já estava em vigor, mas não era tao forte, a partir daquele dia as coisas mudaram. O mundo islâmico, veio a foco, com um bandeira de terroristas, ignorantes, que envolvia todas as formas como o islã se manifesta.

Eu estava na França quando ocorreram estes eventos, e não foram poucas as vezes que tive que deixar de trabalhar e ficar em casa, pois temia por minha segurança. Esses acontecimentos vieram a aumentar ainda mais as imagens distorcidas sobre o islamismo. Quem de nos nunca foi questionada sobre onde o Bin Laden, estava se escondendo.. rsrsrs. Quem de nos nunca recebeu aquele olhar de espanto, horror, medo, pena, quem nunca viu uma pessoa congelar na sua frente e ficar lhe olhando como se você fosse um fantasma. Rsrs. Em Brasilia, uma vez, estava em uma livraria e uma senhora, pegou-me pelo braço, segurou firme, fitou profundamente nos olhos e ficou a perguntar se eu estava bem.. rsrsrs Um olhar preocupado, de clemencia, sinceramente tive a impressão que ela chamaria a ajuda humanitária naquele momento. Rsrs.

Outra coisa que acontece, principalmente quando estamos na América, as pessoas acham que somos surdas e GRITAM em nossos ouvidos em um inglês ensurdecedor e pausado. Rsrs. Alias foi na América, em um aeroporto que aconteceu a cena historica, onde fui questionada sobre meu marido, o RAMADAN, que me negava comida. Rsrsrs

Uma coisa que acontece muito no Brasil, somos chamadas de Jade. Rsrs. Quem não sabe, ouve uma novela brasileira onde a temática era o islamismo. Esta novela disseminou absurdos sobre o islamismo e a mulher muçulmana, absurdos que as pessoas acreditam ate hoje: Ficamos com fama de mulheres que caçam maridos cheios de ouro, e experts em dança do ventre. Rsrs Alem do que toda a muçulmana é obrigatoriamente apaixonada por um não muçulmano e quer fugir com ele para a América. Rsrs

Poucos dias atras, enviei uma foto minha para um amiga, a mãe dela viu a foto no computador e perguntou, é a Jade, filha?

Hoje acho engraçado todas estas situaçoes, e elas se repetem diariamente, porem existem tambem as situaçoes extremamente tristes, mulheres muçulmanas que sao ofendidas, tem seu Hijab arrancado, sao proibidas de entrar em estabelecimentos publicos. Tudo isso so podera quem sabe mudar um dia atraves do conhecimento, do dialogo entre ambos os lados. Somente conversando, procurando o conhecimento, estes esteriotipos serão quebrados, e quem sabe um dia possamos viver em paz. :)

Conhecimento, diálogo é essencial!

Nadhy

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Meu corpo é da minha própia conta...




Freqüentemente me questiono se as pessoas me vêem como uma muçulmana fundamentalista terrorista radical, carregando um rifle de assalto AK-47 dentro de meu casaco. Ou pode ser que me vejam como uma garota de pôster das mulheres oprimidas de todo o mundo. Eu não estou bem certa.

Eu atraio toda a gama de olhares estranhos, fixos, e olhadelas disfarçadas. Você vê, eu uso um "hijab", um lenço que cobre minha cabeça, pescoço e garganta. Eu o uso porque sou uma muçulmana que acredita que seu corpo é assunto seu.

Jovens muçulmanas estão restaurando o "hijab", reinterpretando-o à luz de seu propósito original - devolver às mulheres o controle de seus próprios corpos. O Alcorão nos ensina que homens e mulheres são iguais, que os indivíduos não devem ser julgados de acordo com seu sexo, beleza, riqueza ou privilégio. A única coisa que faz uma pessoa melhor que a outra é seu caráter. Apesar disso, as pessoas tem dificuldades em relação a mim. Afinal, eu sou jovem, nascida e educada no Canadá, nível universitário - por que eu faria isto a mim mesma, eles perguntam.

Estranhos falam comigo em inglês em tom alto e lentamente e freqüentemente parecem estar dizendo charadas. Eles educadamente me perguntam se eu gosto de viver no Canadá e se o frio me incomoda. Se eu estou de bom humor, isto pode ser muito divertido. Mas, por que iria eu, uma mulher com todas as vantagens de uma educação norte-americana, de repente, aos 21, querer me cobrir de modo que com o "hijab" e as outras roupas que escolho usar, somente meu rosto e minhas mãos apareçam? Por que, para mim, isto me dá liberdade.

Mulheres são ensinadas desde a infância que seu valor é proporcional à sua atratividade. Nos sentimos compelidas a perseguir noções abstratas de beleza, entendendo pela metade que tal objetivo é fútil. Quando as mulheres rejeitam esta forma de opressão, elas enfrentam o ridículo e o desprezo. Sejam as mulheres que se recusam a usar maquiagem ou raspar suas pernas, ou expor seus corpos, a sociedade, homens e mulheres, tem problema em lidar com elas.


No mundo ocidental, o "hijab" passou a simbolizar ou um silêncio forçado ou militância radical inconsciente. Na realidade, não é nem um nem outro. É simplesmente a afirmação da mulher de que o julgamento de seu físico não tem papel a desempenhar na interação social. Usar o "hijab" tem me libertado de uma constante atenção ao meu físico. Porque minha aparência não é objeto de escrutínio público, minha beleza, ou talvez a falta dela, foi removida do campo do que legitimamente pode ser discutido.

Ninguém sabe se meu cabelo está como se eu tivesse acabado de sair de um salão de belezas, se eu ganhei ou não algumas polegadas, ou até mesmo se tenho invisíveis estrias. E porque ninguém sabe, ninguém se importa. O sentimento de que alguém tem que atingir os impossíveis padrões de beleza estabelecidos pelos homens é cansativo e freqüentemente humilhante. Eu devia saber, passei minha adolescência inteira tentando alcançá-los. Estava no limite bulímico e gastei muito dinheiro que não tinha em poções e loções na esperança de me tornar a próxima Cindy Crawford.

A definição de beleza está em constante mudança; ser atlética é bom - desculpe, atlética é ruim. Quadris estreitos? Ótimo. Quadris estreitos? Péssimo. Mulheres não conseguirão igualdade com o direito de expor seus seios em público, como algumas pessoas gostariam que você acreditasse. Isto apenas faria de nós parte de nossa própria objetificação. A verdadeira igualdade será obtida quando as mulheres não precisarem se expor para atrair atenção e não precisarem defender suas decisões de manter seus corpos para si mesmas.



Texto de Naheed Mustafa. Naheed Mustafa é canadense e se graduou com menção honrosa em Ciências Políticas e História na Universidade de Toronto. Atualmente cursa Jornalismo na Universidade Politécnica de Ryerson.



O uso do Hijab, torna-se muito polemico. E seu significado para as mulheres que usam varia bastante: Allah recomenda que suas filhas cubram a cabeça, mas este cobrir a cabeça, não tem absolutamente relação com a submissão a um homem, mas uma relação da mulher, com seu Deus. Para muitas irmãs também o hijab, faz com que se identifiquem como muçulmana, e façam vistas ao púbico sua opção religiosa. A quem diga que o hijab devas ser um obrigação de mulher muçulmana usar, já outras defendem que as Escrituras, davam esta recomendação em determinado contexto de época para as filhas e mulheres do Profeta. Dependendo da interpretação isto variar muito. E também há muçulmanas que não usam Hijab, e são muitas, e estas não deixam de serem muçulmanas por esto. Estas devem ser respeitadas. Não me cabe julgar, condenar alguém. Eu escolhi usar o Hijab, existem irmas que escolheram não usar. Somos todas irmas da mesma fé, somos todas mulheres, somos todas muçulmanas.

Há ainda outra briga: as convertidas decidem usar o véu e tem gente que acha que elas querem imitar as mulheres árabes, já que o véu seria uma característica da cultura árabe, e não do Islam. São todas essas posições e opiniões se confrontando.

Mas o véu, acima de tudo, é uma escolha pessoal. Uma mulher o usará se achar que ele é bom, se escolhê-lo como símbolo da sua identidade muçulmana, se se sentir bem com ele ou até se quiser ser árabe por um dia (mais uma vez: ser muçulmano não é ser árabe) rsrs. Não se pode forçar uma mulher a usa-lo. Muçulmanas devem usa-lo porque realmente querem. Então, quando virem uma mulher de véu por aí, não a vejam, como oprimida, mas como uma mulher que escolheu aquilo e que se sente bem daquela maneira, conversem com ela.


Brevemente pretendo trazer um depoimento de uma irma que não usa o Hijab, que escolheu não usar. Aguardem :) Nadhy

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Paquistanês degola filhas

Um pai de família degolou hoje no Paquistão suas quatro filhas enquanto elas dormiam. Ele queria lavar a sua honra depois que a mais velha das moças decidiu casar por amor.
"O homem se apresentou na delegacia depois de ter matado as quatro filhas", declarou o oficial da polícia Mukhtar Iqbal Tikka.

Nazeer Ahmed, operário na cidade de Burewala (a 110 quilômetros de Multan, leste do Paquistão), nunca aceitou que a primogênita se casasse com o homem que ela havia escolhido. O pai de família resolveu matar as outras filhas para evitar que estas seguissem o exemplo da primeira, segundo a Polícia.Ahmed declarou que a sua filha mais velha, Muqadas Bibi, 25 anos, se casou apesar da sua proibição e que o matrimônio sujou a honra da família.
As irmãs de Muqadas Bibi tinham 6, 8 e 12 anos.

Comentário:

Essa notícia é um pouco antiga, mas esse tipo de criminalidade acontece com frequência em localidades do interior e em vilarejos em alguns países africanos e no oriente médio, infelizmente a violência contra mulheres e crianças é vista como algo legítimo por familias tribais e por clãs que dominam a região, quando digo violência, é todo tipo de violência que vão desde um tapa na face ou até mesmo casos grotescos como citados na notícia, ou a violencia psicológica.

O problema é que além da notícia da violência contra as mulheres, também reforçam a tese de que a fé muçulmana pratica tais atos em "nome da religião", ledo engano, o islamismo como já é sabido, é uma religião de paz e de submissão a Deus, o que ocorre é que em muitos lugares os chefes dos clãs levam em consideração tradicioções culturais que em nada tem a ver com o islamismo, mulher não é moeda de troca, e as escrituras deixam isso muito bem claro.

Se por um lado, nós temos a violência contra a mulher, pelo outro lado temos as distorções dos meios mediáticos que mostram o islã como uma religião que oprime as mulheres, um religião que limita seus direitos, uma religião intolerante e machista, outro engano, a mulher muçulmana possui como seu "guardião" o Alcorão sagrado, que aliás possui um capítulo todo direcionado para as mulheres, todos os seus direitos estão assegurados através das escrituras, direitos sobre a herança, sobre o pátrio poder, divórcio, trabalho, educação e saúde, nada na religião impede a mulher de se tornar uma pessoa culta e independente. O problema é que fanáticos utilizam dos mesmos em benefício próprio.

O melhor combate contra essa barbárie é sem dúvida o conhecimento e a vigilância, o conhecimento, para que todos saibam o verdadeiro significado da religião bem como o verdeiro significado de uma sociedade justa e decente, e a vigilância, para que todos aqueles que possuem o conhecimento impessam fanáticos de cometerem crimes em nome da fé, que diga-se de passagem mais cresce no mundo inclusive entre as próprias mulheres.


As salaam aleikum.

Reportagem: Islã cresce na periferia das cidades do Brasil

Jovens negros tornam-se ativistas islâmicos como resposta à desigualdade racial. O que pensam e o que querem os muçulmanos do gueto
Eliane Brum

O ISLÃ NA LAJE






Carlos Soares Correia virou Honerê Al-Amin Oadq. Ele é um dos principais divulgadores muçulmanos do ABC paulista. Na foto, na periferia de São Bernardo do Campo, onde vive, reza e faz política
Cinco vezes ao dia, os olhos ultrapassam o concreto de ruas irregulares, carentes de esgoto e de cidadania, e buscam Meca, no outro lado do mundo. É longe e, para a maioria dos brasileiros, exótico. Para homens como Honerê, Malik e Sharif, é o mais perto que conseguiram chegar de si mesmos. Eles já foram Carlos, Paulo e Ridson. Converteram-se ao islã e forjaram uma nova identidade. São pobres, são negros e, agora, são muçulmanos. Quando buscam o coração islâmico do mundo com a mente, acreditam que o Alcorão é a resposta para o que definem como um projeto de extermínio da juventude afro-brasileira: nas mãos da polícia, na guerra do tráfico, na falta de acesso à educação e à saúde. Homens como eles têm divulgado o islã nas periferias do país, especialmente em São Paulo, como instrumento de transformação política. E preparam-se para levar a mensagem do profeta Maomé aos presos nas cadeias. Ao cravar a bandeira do islã no alto da laje, vislumbram um estado muçulmano no horizonte do Brasil. E, ao explicar sua escolha, repetem uma frase com o queixo contraído e o orgulho no olhar: “Um muçulmano só baixa a cabeça para Alá – e para mais ninguém”.
Honerê, da periferia de São Bernardo do Campo, converteu Malik, da periferia de Francisco Morato, que converteu Sharif, da periferia de Taboão, que vem convertendo outros tantos. É assim que o islã cresce no anel periférico da Grande São Paulo. Os novos muçulmanos não são numerosos, mas sua presença é forte e cada vez mais constante. Nos eventos culturais ou políticos dos guetos, há sempre algumas takiahs cobrindo a cabeça de filhos do islã cheios de atitude. Há brancos, mas a maioria é negra. “O islã não cresce de baciada, mas com qualidade e com pessoas que sabem o que estão fazendo”, diz o rapper Honerê Al-Amin Oadq, na carteira de identidade Carlos Soares Correia, de 31 anos. “Em cada quebrada, alguém me aborda: ‘Já ouvi falar de você e quero conhecer o islã’. É nossa postura que divulga a religião. O islã cresce pela consciência e pelo exemplo.”
Em São Paulo, estima-se em centenas o número de brasileiros convertidos nas periferias nos últimos anos. No país, chegariam aos milhares. O número total de muçulmanos no Brasil é confuso. Pelo censo de 2000, haveria pouco mais de 27 mil adeptos. Pelas entidades islâmicas, o número varia entre 700 mil e 3 milhões. A diferença é um abismo que torna a presença do islã no Brasil uma incógnita. A verdade é que, até esta década, não havia interesse em estender uma lupa sobre uma religião que despertava mais atenção em novelas como O clone que no noticiário.
O muçulmano Feres Fares, divulgador fervoroso do islamismo, tem viajado pelo Brasil para fazer um levantamento das mesquitas e mussalas (espécie de capela). Ele apresenta dados impressionantes. Nos últimos oito anos, o número de locais de oração teria quase quadruplicado no país: de 32, em 2000, para 127, em 2008. Surgiram mesquitas até mesmo em Estados do Norte, como Amapá, Amazonas e Roraima.
Autor do livro Os muçulmanos no Brasil, o xeque iraquiano Ishan Mohammad Ali Kalandar afirma que, depois do 11 de setembro, aumentou muito o número de conversões. “Os brasileiros tomaram conhecimento da religião”, diz. “E o islã sempre foi acolhido primeiro pelos mais pobres.”
Na interpretação de Ali Hussein El Zoghbi, diretor da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil e conselheiro da União Nacional das Entidades Islâmicas, três fatores são fundamentais para entender o fenômeno: o cruzamento de ícones do islamismo com personalidades importantes da história do movimento negro, o acesso a informações instantâneas garantido pela internet e a melhoria na estrutura das entidades brasileiras. “Os filhos dos árabes que chegaram ao Brasil no pós-guerra reuniram mais condições e conhecimento. Isso permitiu nos últimos anos o aumento do proselitismo e uma aproximação maior com a cultura brasileira”, afirma.
Eles trazem ao islã a atitude hip-hop e a formação política do movimento negro
A presença do islã na mídia desde a derrubada das torres gêmeas, reforçada pela invasão americana do Afeganistão e do Iraque, teria causado um duplo efeito. Por um lado, fortalecer a identidade muçulmana de descendentes de árabes afastados da religião, ao se sentir perseguidos e difamados. Por outro, atrair brasileiros sem ligações com o islamismo, mas com forte sentimento de marginalidade. Esse último fenômeno despertou a atenção da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, que citou no Relatório de Liberdade Religiosa de 2008: “As conversões ao islamismo aumentaram recentemente entre os cidadãos não-árabes”.
Os jovens convertidos trazem ao islã a atitude do hip-hop e uma formação política forjada no movimento negro. Ao prostrar-se diante de Alá, acreditam voltar para casa depois de um longo exílio, pois as raízes do islã negro estão fincadas no Brasil escravocrata. E para aflorar no Brasil contemporâneo, percorreram um caminho intrincado. O novo islã negro foi influenciado pela luta dos direitos civis dos afro-americanos, nos anos 60 e, curiosamente, por Hollywood. Cruzou então com o hip-hop do metrô São Bento, em São Paulo, nos anos 80 e 90. E ganhou impulso no 11 de setembro de 2001.


ATIVISTAS



O grupo de Malik e Sharif sonha com um estado islâmico no Brasil, quer construir uma comunidade muçulmana na periferia e levar a religião aos presos nas cadeias
Para contar essa história é preciso voltar a 1835, em Salvador, na Bahia, onde a revolta dos malês, liderada por negros muçulmanos, foi a rebelião de escravos urbanos mais importante da história do país. Pouco citada nos livros escolares, depois de um largo hiato ela chegou às periferias pela rima do rap. Lá, uniu-se ao legado do ativista americano Malcolm X, assimilado pela versão do filme de Spike Lee, de 1992. E ao 11 de setembro, que irrompeu na TV, mas foi colado às teorias conspiratórias que se alastram na internet.
É esse o islã que chega para os mais novos convertidos. E com maior força em São Paulo, porque a capital paulista foi o berço duro do hip-hop no Brasil – movimento histórico de afirmação de identidade da juventude negra e pobre. A tentacular periferia paulista é, como dizem os poetas marginais, a “senzala moderna”. E cada novo convertido acredita ter dentro de si um pouco de malê. Não é à toa que Mano Brown, o mais importante rapper brasileiro, mesmo não sendo muçulmano, diz no rap “Mente de vilão”: No princípio eram trevas, Malcolm foi Lampião/Lâmpada para os pés/Negros de 2010/Fãs de Mumia Abu-Jamal, Osama, Saddam, Al-Qaeda, Talibã, Iraque, Vietnã/Contra os boys, contra o GOE, contra a Ku-Klux-Klan.
“Fico assustado com a linguagem desses rappers, mas não tem mais jeito. Alastrou. Depois que o fogo pega no mato, vai embora. O islã caiu na boca da periferia. E não sabemos o que vai acontecer. É tudo por conta de Alá”, diz Valter Gomes, de 62 anos. Ele parece mais encantado que temeroso. Nos anos 90, “advogou” diante das organizações do movimento negro do ABC paulista e dos guetos de São Paulo com grande veemência. Defendeu que a salvação para os afro-brasileiros era a religião anunciada por Maomé quase 15 séculos atrás: “Irmãos, vocês estão querendo lutar, mas não têm objetivo. Trago para vocês um objetivo e uma bandeira. O objetivo é o paraíso, a bandeira é o islã”.
Essas palavras encontraram material inflamável no coração de alguns rappers, que há muito procuravam um caminho que unisse Deus e ideologia. Enquanto o islamismo soou como religião étnica, trazida ao Brasil pelos imigrantes árabes a partir da segunda metade do século XIX, não houve identificação. Mas, quando o movimento negro, e depois o rap, difundiu a revolta dos malês como uma inflexão de altivez numa história marcada pela submissão, a religião passou a ser vista como raiz a ser resgatada. Os jovens muçulmanos dizem que não se convertem, mas se “revertem” – ou voltam a ser. Para eles, a palavra tem duplo significado: recuperar uma identidade sequestrada pela escravidão e pertencer a uma tradição da qual é possível ter orgulho.
As igrejas evangélicas neopentecostais, que surgiram e se multiplicaram a partir dos anos 80, com grande penetração nas periferias e cadeias, não tinham apelo para jovens negros em busca de identidade e sem vocação para rebanho. “Na igreja evangélica da minha mãe, me incomodava aquela história de Cristo perdoar tudo. Eu já tinha apanhado de polícia pra cacete. E sempre pensava em polícia, porque o tapa na cara é literal. Então, o dia em que tiver uma necessidade de conflito, vou ter de virar o outro lado da cara?”, diz Ridson Mariano da Paixão, de 25 anos. “Eu não estava nesse espírito passivo. Pelo Malcolm X, descobri que, no islã, temos o direito de nos defender. Deus repudia a violência e não permite o ataque, mas dá direito de defesa. Foi esse ponto fundamental que me pegou também quando eu vi pela TV o 11 de setembro e achei que o mundo ia acabar.”
Eles se inspiram em Malcolm X e acreditam que o 11 de setembro divulgou o islã entre os oprimidos
Ridson tornou-se Dugueto Sharif Al Shabazz em 2005. Seu nome é uma síntese histórica da trajetória do islã na periferia brasileira. Ridson, o nome que deixou, foi escolhido pelo pai, um negro que gostava de piadas racistas. Dugueto é o nome do rap, para marcar a origem do gueto. Sharif é o nome do personagem de um filme de gângsteres. Shabazz foi tirado do nome islâmico de Malcolm X.
Essa geração também não perdoa ao catolicismo sua omissão no período da escravidão africana. “Minha família é católica, mas comecei a investigar a história e descobri que a Igreja deu sustentação à escravidão. Diziam que os negros não tinham alma”, afirma Honerê. “Sem contar que Jesus era branco, os anjos eram brancos. E tudo o que era ruim era negro. Aí eu pensava: ‘Então tudo o que é ruim vem de mim?’. Isso parece pequeno, mas na cabeça de um adolescente maltrata, faz com que a gente se torne ruim, viva uma vida ruim. Então conheci o islã.”
Honerê tornou-se um dos principais divulgadores da religião no ABC paulista. Ele é dirigente do Movimento Negro Unificado (MNU) e funcionário do Centro de Divulgação do Islam para a América Latina (CDIAL). Para ele, como para a maioria dos muçulmanos negros, não faz a menor diferença que raça não exista como conceito biológico. Raça é um conceito cultural, que determinou todas as assimetrias socioeconômicas que determinaram sua vida e hoje representa um elemento fundamental na construção de sua identidade, inclusive a religiosa. Ele narra com clareza como Carlos Soares Correia transformou-se em Honerê Al Amin Oadq, em meados dos anos 90:
– Minha mãe era doméstica em casa de branco, muitas vezes foi chamada de “negra infeliz”. Eu percebia que, no sistema de saúde e a todo lugar que eu ia, só gente da minha cor passava por dificuldades. Eu mesmo já levei coronhada da polícia sem justificativa, já defendi mulher negra no metrô, porque branco bêbado achava que era prostituta. Não tem um negro neste país que não tenha uma história de discriminação para contar. Então fui em busca da minha história. Era o tempo em que o rap era música de preto para preto. E o rap me apresentou Malcolm X. Aos 14, 15 anos, ele se tornou a minha grande referência político-racial. Depois descobri a história dos malês. Eles estavam num nível diferente se comparar com os outros negros da senzala. Não bebiam, não fumavam, sabiam escrever, eram instruídos. Se tivessem conseguido tomar a Bahia naquele 25 de janeiro de 1835, teriam o país em suas mãos, e o Brasil seria um estado islâmico.

QUILOMBO



Em São Paulo, a Mesquita Bilal Al Habashi reúne 150 africanos e brasileiros nas orações da sexta-feira, principal dia islâmico
A revolta dos malês (muçulmanos, na língua iorubá) abalou não apenas o Brasil, mas repercutiu na comunidade internacional. Jornais de Londres, Boston e Nova York publicaram notícias sobre o levante. Aumentou o tom da crítica à escravidão.Setenta rebelados morreram. Mais de 500 foram punidos com prisão, pena de morte e deportação para a África. Segundo o historiador João José Reis, em seu livro Rebelião escrava no Brasil (Companhia das Letras), numa comparação com a população atual de Salvador, isso equivaleria hoje a cerca de 24 mil negros castigados.
A força do levante dos malês inspira os novos muçulmanos do gueto. Muitos sonham com um estado islâmico no Brasil – “ainda que seja um estado dentro do Estado”. “Acredito que daqui a dez, 15 anos, isso será possível. Há uma geração tentando fazer isso de forma organizada. O povo brasileiro é religioso. Quando percebeu erros na Igreja Católica, tornou-se evangélico. O islã hoje ainda é pequeno, mas isso pode mudar”, afirma o ex-católico Paulo Sérgio dos Santos, de 33 anos, assessor parlamentar da Câmara de Vereadores de Francisco Morato. Desde a virada do milênio, ele se tornou Abdullah Malik Shabbazz. “É óbvio que não vamos para um confronto armado. Esse caminho terá de vir pela consciência.”
No processo de construção da identidade, os novos convertidos trocaram perguntas e lacunas por certezas. A história é resgatada naquilo que serve a uma afirmação positiva – e as contradições, quando existem, pertencem ao outro. Esses jovens não querem tataravós como Pai Tomás, o escravo humilde do romance de Harriet Beecher Stowe, um marco na abolição da escravatura nos Estados Unidos. Preferem um antepassado como Ahuna, homem-chave na rebelião dos malês. E, sensíveis aos ecos da América negra, desejam eles mesmos ser não o pacifista Martin Luther King, mas o controvertido, belicoso e muçulmano Malcolm X, cuja trajetória de desamparo, violência, prisão e, finalmente, superação é semelhante à de muitos deles. E cujo X – símbolo da identidade arrancada pela escravidão – foi preenchido com um nome islâmico. Embora afirmem que a conversão seja um resgate da tradição, não deixam de exercer o ideal moderno de criar a própria identidade, até com a liberdade de inventar um novo nome que dê conta apenas de seus desejos – e não mais do de seus pais. Agora, eles são filhos do islã. E não mais – ou não apenas – de pais humilhados.
Antes de adotar um nome muçulmano, Honerê foi um dos fundadores de uma das mais antigas posses de hip-hop em atividade, a Haussa, hoje com 15 anos de existência. As posses são grupos que reúnem pessoas com afinidades culturais e políticas para realizar metas comuns. Na história, os africanos haussás lideraram rebeliões escravas na Bahia no início do século XIX. Muçulmanos, eles vinham do que hoje é o norte da Nigéria e de uma guerra santa que forneceu muitos cativos para o tráfico negreiro. No Brasil, é provável que haussás de ambos os lados do conflito tenham se unido contra os brancos. Dois séculos depois, Haussa é uma frente só de negros, com 40 integrantes, no ABC paulista. O nome foi escolhido “porque os haussás não se deixavam domar, tinham convicções e só eram submissos a Deus”.
Os haussás de hoje estavam entre os grupos que escutaram a preleção de Valter Gomes. Alguns, como Honerê, se converteram ao islã. “Descobrir minha história foi como ter passado a vida olhando para baixo, com a sensação de que todo mundo está te julgando e, de repente, passar a andar olhando as pessoas no olho, sem medo”, diz ele.
Os muçulmanos compartilham a certeza de que, quanto mais difamam o islã, mais ele se fortalece. O anúncio do Vaticano, em 2008, de que o islamismo superou pela primeira vez o catolicismo no mundo em número de adeptos para eles é uma prova de que, ao forjar a ligação da religião, como um todo, ao terrorismo fundamentalista, as conversões se multiplicaram, em vez de encolher. Essa face perseguida, vilipendiada e dura tornou-se um ponto de identificação.
Nas telas de TV, o 11 de setembro tornou o islã popular nas periferias do planeta, que vê nos Estados Unidos o símbolo de todas as opressões. No Brasil, o fenômeno se repetiu. “Para nós, aquilo foi coisa do próprio governo americano, para ter desculpa de invadir países muçulmanos. Mas o 11 de setembro ajudou pra caramba na divulgação”, diz o rapper Leandro Arruda, de 33 anos. “Todo mundo queria saber o que era o islã. Não que o Bin Laden seja um herói , mas a gente que vem do gueto tem certa rebeldia contra o governo opressor.”
Rapper e ex-presidiário, Leandro está entre os que se interessaram pela religião ao ver a realidade imitar o cinema-catástrofe de Hollywood. “Percebi que existe um povo com uma postura diferente na Palestina, no Iraque, no Afeganistão. Comecei a procurar informação, encontrei o Malik e acabei me revertendo”, diz. “Eu e minha esposa queremos estudar para divulgar o islã. Porque ninguém melhor do que a gente, que sobe o morro, tem acesso à periferia e conhece a massa, para falar a eles. Porque, se chegar um cara lá vestido de árabe, os ‘negos’ vão dar risada.” Leandro desenvolve há um ano, numa favela da Zona Leste de São Paulo, o projeto Istambul Futebol e Educação, com 25 garotos em situação de risco. Os recursos vêm de um ativista islâmico da periferia paulista que hoje estuda na Síria.
A atuação social responde ao projeto político, que vê no islã uma reação às estatísticas da violência. “Não temos problemas com outras cores e raças. Não nos organizamos por racismo. Só queremos que os afro-descendentes parem de morrer aos 20 anos. Quem morre jovem no Brasil são os que não conhecem suas origens nem tiveram acesso ao conhecimento. É um genocídio da população periférica que vem desde a senzala”, diz Malik. “Desde que me tornei muçulmano, não bebo, não fumo, meus filhos têm pai e mãe, educação e uma vida regrada. O islã nos dá instrumentos para combater problemas sociais que fazem com que sejamos a maioria e tenhamos menos que todos os outros.”
 

ARAUTO



Valter Gomes foi um dos principais divulgadores do islã no movimento negro. Na foto, ele ora num abatedouro halal, que segue os preceitos islâmicos
Malik é o presidente do Núcleo de Desenvolvimento Islâmico Brasileiro (NDIB), a organização mais combativa do novo islã negro. O vice-presidente faz formação no Paquistão desde o ano passado. Pequeno, o NDIB tem apenas oito integrantes, entre eles Sharif e Leandro. Mas foi capaz de promover, no fim de 2007, um encontro entre o americano Fred Hampton Jr., o rapper Mano Brown e lideranças do movimento negro e de jovens muçulmanos, em São Paulo. Fred Hampton Jr. é o filho do líder dos Panteras Negras – organização criada nos anos 60, nos Estados Unidos, que defendia teses como o pagamento de compensação aos negros pela escravidão e o armamento daqueles que se sentissem ameaçados pela força policial.
Ativista como o pai, Hampton Jr. passou quase nove anos preso e fundou na cadeia o Prisoners of Conscience Committee (POCC), em português Comitê dos Prisioneiros de Consciência. Nem o POCC nem Hampton Jr. se apresentam como muçulmanos. Mas a organização tem islâmicos na coordenação, com quem o NDIB mantém boas relações. O POCC defende que todos os detentos são prisioneiros políticos, porque a desigualdade racial não lhes deu escolha. As prisões seriam, para eles, um dos passos do extermínio planejado da população negra.
Numa parceria com o Conselho Nacional de Negros e Negras Cristãos, o NDIB levou Hampton Jr. a um encontro com a comunidade afro-brasileira em Salvador, na Bahia. Suas teses têm pontos de conexão com a campanha “Reaja ou será morto, reaja ou será morta”, concebida por organizações sociais baianas, que denuncia aquilo que consideram ser o “genocídio da juventude negra brasileira pela violência do aparato repressivo do Estado” e prega “a defesa por todos os meios necessários”.
Hampton Jr., que também conheceu os morros do Rio de Janeiro, anunciou uma conexão entre o Brasil e os Estados Unidos. “O manifesto antiterrorista não deve observar nenhuma fronteira colonial. Precisamos combater todas as formas de terrorismo que nos são impostas: o crack, a falta de políticas públicas, a aids e o ataque policial. O povo negro é a vítima preferencial”, diz. Em Salvador, ele concluiu com uma analogia: “Para nós, do POCC, cada dia é como se fosse 11 de setembro. O que os brancos sofreram com o ataque terrorista, nós, negros, sofremos todo dia”. Em São Paulo, Hampton Jr. e Mano Brown cerraram os punhos. E foram aclamados.
O principal articulador da vinda de Hampton Jr. foi Sharif, que mantém contatos com muçulmanos dos guetos da França, do Canadá e dos Estados Unidos. Rapper, ele trabalha com a educação de crianças e faz parte do movimento de literatura periférica. Aos 25 anos, tem um texto contundente, com forte denúncia da desigualdade racial. Descendente de africanos e italianos, tem olhos verdes e pele clara, mas não tem dúvidas de que é negro. “Dizem que não existe raça e somos todos brasileiros, mas qual é a cor que predomina nas cadeias, na Febem e nas favelas? Negros”, afirma. “Não queremos vingança, só nosso lugar numa sociedade que ajudamos a construir. O islã não tem cor, é para todos. Mas somos negros numa sociedade racista. Então temos problemas à parte para resolver e nos posicionamos.”
Os ativistas do NDIB acreditam que o islamismo pode ser uma alternativa à conversão evangélica, maciça nas prisões brasileiras. Para seu projeto político-religioso, entrar nas cadeias é estratégico, e o POCC, de Hampton Jr., é um parceiro importante. “Os presos têm virado crentes por falta de opção, porque a última escolha do presidiário é virar evangélico”, afirma Leandro. “O islã é construção de conhecimento. Queremos trabalhar levando essa consciência, construindo a história de cada um e mostrando que, independentemente do crime que cometeram, eles são presos políticos”, diz Sharif.
Em 2009, o núcleo islâmico quer iniciar a construção de Nova Medina, uma comunidade muçulmana capaz de acolher os convertidos de vários pontos da periferia paulista. “Hoje estamos espalhados, e isso dificulta a organização”, diz Malik. “Sonhamos com um bairro muçulmano onde não existam bares com bebidas alcoólicas nas esquinas, os açougues não vendam carne de porco, nossas crianças possam estudar em escolas islâmicas e nossas mulheres não sejam chamadas de mulher-bomba.” Para isso, pensam em adquirir um pedaço de terra e fazer um loteamento. Alguns já se mudaram para a periferia de Francisco Morato, um dos municípios mais pobres da Grande São Paulo. Medina, até agora o nome mais provável, está na origem do islamismo: é a cidade da Arábia Saudita para onde o profeta Maomé migrou para escapar das perseguições que sofria em Meca. A migração marca o início do calendário islâmico.
Eles planejam converter os presos e construir uma comunidade muçulmana na periferia paulista
Diante de expressões de incredulidade, eles dão um sorriso malicioso: “Se, há dez anos, eu dissesse a você que um negro seria o presidente dos Estados Unidos, você acreditaria?”. Ou, como diz Valter Gomes: “Eu vi Martin Luther King morrer. E posso dizer que é uma revolução muito rápida. Um torneiro mecânico é presidente do Brasil, um índio é presidente da Bolívia e um negão com nome muçulmano é presidente do país mais poderoso do mundo. Ou é o fim do mundo ou é o começo de alguma coisa...”.
No islã dos manos, o rap é o instrumento e a linguagem de divulgação da religião. “Muita gente ainda vai vir para o islã pelo rap. Nós ganhamos consciência pelo hip-hop, então não podemos negar nossa história. As pessoas na periferia veem aquela negrada fazendo rima e poesia, percebem sua atitude diferenciada, sua postura na vida, e querem se aproximar. Isso é o começo da reversão”, diz Honerê. “É um passo depois do outro.”
Com uma takiah verde-amarela na cabeça – símbolo de sua condição de muçulmano brasileiro que não aceita mudar de nome –, Valter Gomes entrega tudo nas mãos de Alá. Tem os olhos úmidos quando afirma: “Alá diz no Alcorão que para cada povo há um profeta que fala a sua língua. Então, quem sabe não aparece um negrinho cheio de ginga e de rima na periferia?”.
 

LUVAS E ALCORÃO



Muhammad Al Mesquita, ex-campeão mundial de boxe, converte na academia
 O boxeador de Alá
Na Paraíba, ex-campeão mundial tem uma mussala na academia
Cinco vezes ao dia, toda atividade cessa na Academia Mesquita Brothers, um dos principais centros de treinamento de boxe em João Pessoa, na Paraíba. Os sacos de areia deixam de ser esmurrados sem parar. No ringue, os lutadores baixam a guarda. Produz-se, então, uma cena impressionante. Tapetes são rapidamente estendidos, e os boxeadores, liderados por Muhammad Al Mesquita, se prostram em direção a Meca. Brasileiros, recitam versos do Alcorão em árabe. Depois, voltam a bater com força e ainda mais inspiração.
Muhammad era Francisco Mesquita, ex-campeão mundial de boxe na categoria superleve. Carioca, converteu-se ao islã em Nova York, nos anos 90. Compartilha com Muhammad Ali o boxe e a religião. “Mas não me converti por causa dele. Um amigo me convidou para ir a uma mesquita. Lá o xeque falou de Deus como eu nunca tinha ouvido”, diz. “Tocou meu coração.”
O boxeador de Alá se esquiva de questões políticas como se fossem jabs. Confessa que sonha em transformar o Nordeste no “celeiro do islamismo”, com pelo menos uma mesquita e um xeque em cada capital. “Todos precisam saber que existe essa opção de fé, que responde a questões que outras religiões não respondem. É preciso mostrar o caminho da verdade. Aí cada um decide se quer trilhá-lo”, diz. Ele já mostrou o “caminho” a 17 jovens boxeadores.
Marco Bahé
 

VELHA-GUARDA



Seu Malma é um dos pioneiros do islã afro-brasileiro
 A mesquita dos negros
No centro de São Paulo, uma África islâmica
A Mesquita Bilal Al Habashi é um daqueles lugares que fazem de São Paulo uma cidade fascinante, apesar do trânsito e da poluição. No 9o andar do Edifício Esther, exemplar modernista do centro, estudado nas escolas de arquitetura, a mesquita acolhe imigrantes da África e brasileiros de origem africana para as cinco orações do dia. Instalada no apartamento que foi do pintor Di Cavalcanti, ela evoca uma intrigante algaravia: inglês, francês, português e dialetos tribais. As vozes só silenciam para ouvir o xeque recitar o Alcorão – em árabe. Enquanto os muçulmanos rezam, o edifício repete uma rotina caleidoscópica. Na cobertura, vive o padeiro com sotaque francês Olivier Anquier. No subsolo, um cabaré exercita outras línguas. No histórico Edifício Esther, a Bilal al Habashi tem essa sina. Cultiva o espírito, espremida entre o pão e a carne.
Inaugurada em 2005, a mesquita tem um nome simbólico. Bilal foi um escravo abissínio torturado pelo dono para renunciar à religião. Resistiu e tornou-se o primeiro muezim do islã, encarregado de chamar os fiéis para as orações. Bilal era também o nome de um dos líderes da revolta dos malês. Assim, é um símbolo de resistência tanto para africanos no Brasil como para brasileiros com raízes na África.
O presidente da mesquita é também uma instituição. Muhammad Ali, como o famoso boxeador, foi um dos primeiros muçulmanos sem ascendência árabe em São Paulo. Aos 17 anos, chamava-se Jair Maceió quando ouviu pela primeira vez o nome do islã junto ao Viaduto do Chá, ponto de encontro dos negros paulistanos. Jair vivia a orfandade com os pais vivos. Sem recursos para criá-lo, eles entregaram-no ao Estado. O sobrenome, Maceió, como é comum entre descendentes de escravos, indicava a terra onde o avô fora cativo. Desenraizado, a luta pelos direitos civis dos negros americanos, nos anos 60, retumbou dentro dele. Quando o boxeador Muhammad Ali se recusou a lutar no Vietnã, dizendo que aquela não era uma guerra dele, Jair acreditou ter agarrado a ponta de uma raiz comum. Parou de dançar, seu “único vício”, e tornou-se Muhammad Ali Numairi. Com esse nome, fundou a Mesquita Muçulmana Afro-Brasileira, em 1974, ao lado de Joel Azor da Silva e Abdullah Menelik Omar. O objetivo “era arrumar a sociedade negra e impedir a dissolução da família afro-brasileira pela bebida e pela droga”.
Aos 58 anos, Seu Malma, como é conhecido, diz que o islã é para todos. Sua mesquita virou bússola para os perdidos africanos, a maioria clandestinos no Brasil. Eles dividem o espaço com “o pessoal do rap”, que tem dado dor de cabeça a Seu Malma. “Música é proibido no islã. E gueto só serve à classe dominante, que quer mantê-los lá”, diz. “Mas eles acham que o rap é importante para divulgar o islã na periferia e que eu sou da velha-guarda.” Com a “jovem guarda do islã”, Seu Malma compartilha a utopia: “Quero fazer do Brasil um país muçulmano”.
 

DO RIO GRANDE PARA MECA


Muhammad (de camisa listrada) é líder religioso de uma das mais organizadas comunidades do interior do país
 Muhammad foi ao cinema e se converteu
Hoje, ele prepara “a base de um levante cultural”, com migrantes nordestinos e gaúchos sem-terra, em Passo Fundo
Nivaldo Florentino de Lucena recebeu a dica de um amigo: “Tem um filme com a história de um negão que é da hora!”. O “negão” era Malcolm X. O filme era a biografia do ativista americano, dirigida por Spike Lee. Numa sessão lotada de rappers, Nivaldo, da Zona Leste de São Paulo, concluiu que o negão era da hora mesmo. Filho de uma mãe que, no censo do IBGE, se declarava “branca” e de um pai que se anunciava “pardo”, ele pertencia à geração que tinha certeza de que eram todos “negros”. Saiu do cinema decidido a encontrar uma mesquita. Era 1992. Muhammad trocou a bebida, as drogas e os pequenos crimes pelo Alcorão. Anos mais tarde, se formou em teologia islâmica na Líbia. Em 2002, desembarcou na gaúcha Passo Fundo, cidade de colonização europeia, onde loiras naturais são tão corriqueiras como o chimarrão. Tinha duas metas sob a takiah muçulmana: assumir um posto numa multinacional de frangos halal (abatidos segundo a prescrição islâmica) e divulgar o islã.
Quando Muhammad Lucena chegou, havia três famílias muçulmanas de origem árabe. Hoje, ele conta mais de 40, a maioria composta de trabalhadores da empresa. Muhammad se tornou o imã, líder religioso, de uma comunidade com um perfil inédito: migrantes nordestinos que chegaram ao sul como mascates e gaúchos que trocaram a zona rural pela periferia da cidade. No caso de Passo Fundo, o islã disputa, no campo religioso, com a Igreja Católica e com as neopentecostais evangélicas. No campo político, com o MST. “Sempre fui peão e, como negro, fui vítima de muito preconceito aqui no Rio Grande”, diz Valdivino Bueno da Silva. “Tinha intenção de virar sem-terra, como o meu irmão, mas acabei ficando por aqui e me convertendo.” Em 2005, aos 24 anos, ele conseguiu vencer o alcoolismo e virou Abdallah.
Tornou-se “irmão” no islã de João Paulo Silva, que deixou o sertão do Ceará para vender artigos de cama e mesa pelas ruas de Passo Fundo. “Gaúcho chama todos os nordestinos de baiano”, diz. “Era uma vida sofrida.” Aos 20 anos, mudou de sina, adotou o nome de Jaber e virou um obstinado divulgador do islã. Converteu a mulher, irmã de um pastor da cidade. E também os sogros, que abandonaram a crença evangélica e vieram do interior do Paraná para ficar perto da comunidade islâmica de Passo Fundo, em franca expansão. Ela já tem um cemitério e o terreno da futura mesquita, doado pelo governo do Kuwait.
Muhammad, de 33 anos, casado com uma branca e pai de cinco filhos, defende um islã para todas as cores e raças. Na Líbia, conheceu Louis Farrakhan, mas não simpatiza com as “ideias radicais” do líder da Nação do Islã. Ele crê, porém, que o Brasil vive “uma nova revolução islâmica”. “Há focos do islã borbulhando em toda parte. Existem hoje brasileiros estudando na África, na Ásia e no Brasil para fazer a inserção de muçulmanos em órgãos-chave”, diz. “Já temos a base pronta, com os mais pobres. Só nos falta um líder para ter um levante. Não armado, mas cultural.”
 

CAMINHOS DO ISLÃ



Brasileiras sem ascendência árabe, Latifa, Samira e Andréia vivem na comunidade muçulmana da gaúcha Passo Fundo... e Luana, Elisângela e Dona Ilma, que cruzam o Viaduto Santa Ifigênia, no centro da capital paulista, são militantes da religião na Grande São Paulo
 Por trás do véu, um novo perfil de mulher islâmica
Chamadas de “mulher-bomba” nos ônibus metropolitanos, elas começam a alterar o cenário urbano
Ela é “Dona” Ilma. E tão dona que o dela merece maiúscula e já se integrou ao nome. Não por acaso, é a que lidera a fila na foto. Como ela mesma diz, abriu seu espaço com “punhos e conhecimento”. Ilma Maria Vieira Kanauna é uma das pioneiras no movimento islâmico afro-brasileiro, em São Paulo. Aos 53 anos, convertida há mais de duas décadas, é tratada com um temor respeitoso, porque Dona Ilma é mulher braba. Nada mais distante dela que o estereótipo da mulher árabe submissa, sempre dentro de casa, que resiste no imaginário ocidental como a realidade única da mulher no islã. Sua cartilha é a das malês, mulheres ativas no levante escravo de 1835. “A América foi edificada sobre os ombros dos homens negros e o ventre das mulheres negras”, diz com solenidade. “E o islã é o espelho em que eu me vi refletida.”
Dona Ilma é filha de uma “tradicional família negra”, de origem matriarcal. Até os 6 anos, se criou numa área de quilombo, em Minas Gerais. Lembra a avó e a mãe sempre vestidas de preto, rezando com a janela aberta e mandando nos homens e no curso da vida. Quando a mãe morreu de parto, o pai se mudou, e ela ainda hoje diverte-se com a memória dos primeiros brancos que surgiram no seu campo de visão. “Eu e meu irmão achávamos que eram lobisomens”, diz. “Nos chamavam pra brincar, e a gente se escondia achando que iam nos comer.”
Algumas aventuras mais tarde, porque a vida de Dona Ilma dá mesmo um romance, acabou filha adotiva de uma família de descendentes de alemães, com quem ainda hoje vive e se entende bem. Primeiro tornou-se comunista, depois muçulmana. É educadora por vocação e, por convicção, só trabalha em escolas de periferia. Compara o 11 de setembro a “uma mulher que passa a vida apanhando e um dia dá 11 tiros no marido”. E acredita que a violência no Brasil, da qual já foi vítima, é a forma de as minorias sem identidade e futuro pedirem socorro. “Nossas crianças estão perdidas, escrevendo Joaquim com ‘n’ e não se reconhecendo em espelho algum”, diz.
A testa lisa de Dona Ilma só é contraída por uma ruga quando fala sobre a nova geração de muçulmanos. “O islã sempre trouxe cidadania para as minorias. E as periferias são as senzalas de hoje. Mas as novas gerações têm muito punho ainda, tenho medo que acabem sendo segregacionistas”, afirma. “Não precisamos mais de um discurso de raça, precisamos de cidadania. Acredito, porém, que é um ritual de passagem. Quando me converti, também era muito radical. Vamos deixar eles gritarem um pouco.”
Na foto, ela é seguida por Elisângela Résio, de 31 anos, e Luana de Assis, de 28. Há quatro, Luana trocou a vida de “balada de segunda a segunda” e um figurino hip-hop para se tornar muçulmana. Elisângela se converteu em maio, no dia em que casou com o rapper Leandro Arruda, que conheceu num show dos Racionais MC’s. Até pouco tempo, um início de romance inusitado para uma muçulmana. “O que você acha de Jesus?”, ele perguntou. Tudo começou a dar certo quando ela disse que Jesus era um profeta – e não o filho de Deus.
Como qualquer trabalhadora, elas pegam ônibus e trens lotados de segunda a sexta- -feira, da Grande São Paulo para a capital, e vice-versa. Nas ruas, já se habituaram a ser chamadas de “mulher-bomba” ou “prima do Bin Laden”. “O povo não está acostumado a ver muçulmanas sacolejando em ônibus e trens como qualquer mulher que precisa trabalhar”, diz Luana. “Confundem religião com cultura, acham que todo muçulmano é árabe e toda muçulmana só fica em casa.”
Fiel às rimas de sua geração, Elisângela dá um conteúdo político próprio à indumentária islâmica. “A mídia impõe que brasileira tem de andar de minissaia ou shortinho, meio pelada. É a imposição de um estereótipo que as mulheres seguem desde criança sem nem se dar conta”, diz. “Por que minha roupa de muçulmana chama a atenção dentro do trem e a menina seminua não?” A própria Elisângela responde: “ Porque estou fora dos padrões que a mídia impõe, tenho identidade própria, fiz minha escolha”.
Essa mesma mulher traz na cabeceira O capital, de Karl Marx, e diz admirar Che Guevara com fervor revolucionário.